domingo, 07 fevereiro 2021 15:42

Crónicas de um surfista de meia idade - (10) - As viagens fora de Portugal

Guarda do Embaú – Santa Catarina – Brasil...

 

*Por Rafael Amorim

 

 

Ao longo destas décadas, não consegui ir a todos os continentes que gostava, nem surfar todas as ondas que queria. Mas tive a sorte, e o privilégio, de surfar com amigos em sítios onde muitos poderão nunca ter a hipótese de chegar. Surfei em Espanha, França, Países Baixos"Holanda" e no Brasil. Em todos eles tive nova experiências e aprendi muito.

 

Guarda do Embau. Direitos reservados

 

 

 

O Brasil tornou-se, por razões familiares, um destino de Surf frequente, especialmente durante a primeira década deste século. Acrescente-se o fato de, naqueles anos, ser um destino barato, de água quente, excelente comida, onde facilmente se alugava ou comprava material de Surf. A língua, o clima e as pessoas – que frequentemente confundiam me com um italiano – eram acessíveis, simpáticas e de fácil trato.

É difícil enumerar todos sítios por onde passei e todos os episódios que vivi naquele quase continente.

De Fortaleza a Natal, com uma dupla passagem por Pipa, de água completamente castanha e barrilenta, a completamente azul e quase transparente, à carona de um Buggy ou numa Volkswagem Saveiro pelo meio de dunas e passagens de mata atlântica, de sapos do tamanho de uma bola de futebol a escorpiões nos sacos das pranchas, entre tempestades tropicais inesperadas, chuvas torrenciais, pés deslocados, arranhados ou com cortes, visitas a “hospitais” para injeções de penicilina, analgésico ou antinflamatórios, houve de tudo um pouco.

Temos de aceitar o bom com o mau, superar os episódios menos agradáveis de forma a fabricarmos memórias. A companhia que levas contigo, o forro que dançaste numa vaquejada ou num bar de praia, os amigos que fizeste, o que tu aprendeste e o que tu ensinaste e, sobretudo, surfar de calções, com uma pequena lycra ou t-shirt.

Continua a ser das mais maravilhosas sensações que senti até hoje. Correr com a prancha e atirar-me para dentro do mar que nos aquece com uma temperatura que pode chegar aos 27/28 graus. Para quem, especialmente no Norte de Portugal, tiver a sorte no Verão de surfar com água a 18 graus, percebe bem o que digo.

 

 

 

 

"O estado do Rio de Janeiro, por sua vez,

foi um poço de surpresa,

da beleza natural e força das ondas de Saquarema..."

 

 

 

 

Rafael Amorim na Praia do Arpoador. Arquivo Pessoal

 

 

 

 

O estado do Rio de Janeiro, por sua vez, foi um poço de surpresa, da beleza natural e força das ondas de Saquarema, as praias paradísicas de Búzios, Cabo Frio e Arraial do Cabo, aos spots míticos de Longboard da Barra da Tijuca – Recreio, Macumba e Prainha – às praias urbanas em Niterói, Leblon e Ipanema.

O Recreio, Macumba e, especialmente a Prainha, todas na Barra da Tijuca, deram-me horas de excelente Surf ao longo dos anos. Conheci alguns surfistas locais, aluguei material sem grandes dificuldades – o que permitia só ter de andar com um fato de neoprene no carro – entrei em oficinas de alguns shapers conhecidos na praça, participei em churrascos e concertos de praia, tudo regado a doses de direitas lineares, extensas e com muita fluidez num clima pseudo hippie de boas vibrações.

Mas por muitos sítios onde tenha estado no Brasil nada se compara, e penso que não se irá comparar, aos dias que passei no Rio Grande do Sul e, em particular, numa longa sessão de Longboard na Praia da Guarda do Embaú. Se procuram, no Sul do Brasil, um destino de natureza, verdejante, descontraído, fora do stress da ilha de Floripa e com ondas de qualidade, este é o spot.

Spot de prática de Surf, há décadas, a Praia da Guarda do Embaú foi, em 2020, incluída na rede de Reservas Mundiais de Surf da californiana Save the Waves Coalition. Hoje em dia é a 9.ª Reserva Mundial de Surf, a única do Brasil, e esse galardão foi lhe atribuído pela qualidade e consistência das suas ondas e pela cultura e tradição de surf.

No dia anterior a esta viagem tinha estado na Praia da Joaquina e, confesso, talvez pelo hype todo a volta desta praia, das más condições daquele dia, do transito, do problema do estacionamento e da quantidade absurda de gente – estávamos no pico do verão em dezembro de 2006 – começava a dizer mal da minha vida.

 

 

 

"...Não se irá comparar, aos dias que passei no Rio Grande do Sul e, em particular,

 

numa longa sessão de Longboard na Praia da Guarda do Embaú...."

 

 

 

 

Direitos reservados

 

 

Depois de uma breve sessão de Surf, e como tinha o estacionamento pago, deixei-me ficar no carro a ouvir um antigo Red, Hot + Rio que, entre outras músicas, tinha uma versão dos Stereolab do “One Note Samba / Surfboard" do Tom Jobim. Foi nesse momento que conheci um grupo de rapazes e raparigas, na casa dos 20/25 anos, que me perguntaram que versão era aquela do Tom Jobim. Começamos a falar sobre música, sobre o meu país de origem – mais uma vez pensavam que era italiano ou espanhol, e, como não podia deixar de ser, sobre Surf.

Disse-lhes que estava hospedado em Balneário do Camboriú, por mais duas noites, e que não tinha tido nenhuma sessão de Surf porreira. É nessa altura que me falam das Praias do Rosa, Ferrugem e da Guarda do Embaú. Como esta última fica a 50 km de Florianópolis, e como tinha carro alugado para aqueles dias, convidei-os a virem comigo. Ainda estivemos bastante tempo juntos nesse dia e, na manhã seguinte, saímos os quatro, num Volkswagen Gol, com uma Longboard e três Shortboards assentes no teto e amarradas por diversas fitas.

Fizemos uma viagem, porreira, com calma e sem stress pela BR 101 e, num corte da estrada, entramos numa via em terra batida que desembocou numa pequena aldeia hippie no meio de uma mata Atlântica.

 

 

 

 

"A Praia da Guarda do Embaú foi, em 2020,

 

incluída na rede de Reservas Mundiais de Surf..."

 

 

 

 

Rafael Amorim na Praia de Cabo Frio, 2011 - Arquivo Pessoal

 

Eis, que algumas centenas de metros mais à frente e já de pranchas debaixo do braço, deparo com um cenário, idílico, paradisíaco, de filme e de tirar o folego. Uma praia lindíssima no meio de uma reserva natural com direitas extensas, vento offshore, ondulação de um metro, consistente. Tudo aquilo que podíamos pedir.

Preparamos tudo para descer para a água e devo ter feito a mais prolongada sessão de Surf que me recordo daquela viagem. Com um fato short, de neoprene de dois milímetros, deixei-me estar dentro de água perto de 4 horas. Surfamos naquele cenário de natureza, água límpida, boas vibrações e boa companhia. Foi durante um nosso almoço, que tivemos de improvisar com umas latas de conserva e pães que trouxemos, que me fizeram uma caricatura e que ainda hoje guardo.

Este episódio só vem provar que temos de apoiar as pessoas à nossa volta, ajudar quem quiser começar a surfar, a fazê-lo bem e em segurança, de forma a que não desanimem. Se ajudarmos os outros, a vida vai responder de forma positiva. Não é uma questão de Karma, mas sim de verdadeiro altruísmo. Se surfar nos dá prazer, não poderá haver melhor recompensa do que saber que ajudamos outra pessoa a chegar lá.

 

* A caricatura

 

 

 

 

 

"Se ajudarmos os outros, a vida vai responder de forma positiva.

 

Não é uma questão de Karma, mas sim de verdadeiro altruísmo..."

 

 

 

 

 

 

Rafael Amorim durante o ano de 2016 na Praia de Madeiro  Praia do Madeiro, Pipa, Natal, Rio Grande do Norte - arquivo pessoal

 

Itens relacionados

Perfil em destaque

Scroll To Top