quinta-feira, 07 outubro 2021 18:15

Yolanda Hopkins e Teresa Bonvalot alcançam o 9º posto no Meo Vissla Pro Ericeira 2021

Teresa Bonvalot ficou com o strep preso nas rochas criando uma situação momentaneamente aflitiva ....

 

um dia perfeito em Ribeira d’Ilhas para acolher o MEO VISSLA PRO ERICEIRA e condições épicas e direitas perfeitas e ideais para a realização dos 16 heats dos 3.º rounds masculino e feminino. Quanto às surfistas portuguesas em prova, tanto Yolanda Hopkins, como Teresa Bonvalot, acabaram por ser eliminadas nos oitavos de final, ficando em 9.º lugar na prova.

 

Teresa Bonvalot o aniversário a eliminação e o episódio nas rochas:

A bicampeã europeia júnior entrou na água no último heat do dia e foi eliminada pela havaiana Luana Silva, que totalizou um score de 16,40 pontos (em 20 possíveis), resultado de duas ondas de 7,33 (em 10 possíveis) e 9,07 pontos. Já Teresa totalizou 10,24 pontos com duas ondas a rondar os 5 pontos e ainda apanhou um grande susto. “Fiquei entre as rochas e felizmente consegui sair, fiquei com o leash preso, foi muito complicado e tenho sorte de estar bem, ainda por cima faço anos hoje, por isso é um presente de aniversário estar bem. Sei que dei o meu máximo. Mas estou bem. Infelizmente não foi a minha hora de vencer, mas da próxima sei que estarei ainda mais forte”, disse a surfista de Cascais.

 

Momento em que a Portuguesa Teresa Bonvalot sai ilesa do episódio nas rochas.(Pedro Mestre)

 

Yolanda Hopkins batalhou com tudo o que tinha e apesar de perder efectuou uma excelente performance:
 
Quanto a Yolanda Hopkins, a atleta foi eliminada por Gabriela Bryan. A surfista algarvia ainda conseguiu passar para a frente da bateria a dois minutos do fim, mas a havaiana que ficou em 2.º lugar na 1.ª etapa do Challenger Series na Califórnia não perdoou, e bem em cima do final fez uma onda que mudou as contas e passou mesmo para a frente. Yolanda ficou elo caminho com um score total de 14,06 pontos (em 20 possíveis), enquanto Gabriela Bryan totalizou 15,33 pontos.

 

Yolanda Hopkins com uma atitude de excelência quase superava os oitavos de final. (Click por Pedro Mestre)

 

 

 

Destaques Internacionais da prova feminina:
 
Entre os destaques internacionais, nota para a japonesa Shino Matsuda, com um score total de 18,14 pontos, combinando duas ondas excelentes (8,47 + 9,67), num heat super renhido, em que a norte-americana Alyssa Spencer ficou pelo caminho, com uma pontuação total também elevada (17,26 pontos). “Precisava de um score alto, e estou tão feliz de ter conseguido. Só faltavam 5 minutos e consegui. Só quero divertir-me. Agora estou nos quartos de final e estou não feliz. Quero qualificar-me, mas não quero ficar nervosa, só me quero divertir”, disse a japonesa ao sair da água.
 
Também Bettylou Sakura Johnson, a havaiana de apenas 16 anos, provou que é uma surfista de renome com uma vitória incrível diante de Macy Callaghan. Sakura fez três ondas acima dos 9 pontos. “Diverti-me imenso. Mal posso esperar por amanhã, estou super animada”, disse.

 

 Bettylou Sakura Johnson, a havaiana de apenas 16 anos, provou que é uma surfista de renome. .(Pedro Mestre)

 

 

Na prova masculina Imaikalani deVault faz um 10 pontos em Ribeira D'Ilhas:

 
E outro dos grandes momentos do dia aconteceu perto da hora de almoço, no 3.º round masculino, quando a praia foi ao rubro com a excelente exibição de Imaikalani deVault, com direito uma onda perfeita e outra quase perfeita. Aliás, o havaiano já nos vinha habituando nos últimos dias, e neste 5.º dia de prova não foi exceção, a 20 minutos do fim da bateria já tinha deixado os adversários em combinação. DeVault fez um score total de 19,60 (em 20 possíveis), somando duas ondas pontuadas com 10 e 9,60 pontos (em 10 possíveis). “Foi tão bom. Penso que estou a fazer algo bem, por isso vou só continuar a fazê-lo e vou só aproveitar esta viagem. Na bateria estava só a divertir-me. É o que vou continuar a fazer”, disse o surfista que ficou em 17.º na 1.ª etapa do Challenger Series na Califórnia.


Em destaque esteve também Carlos Munoz arrancou a sua prestação na bateria com uma onda de 9 pontos (em 10 possíveis), e um score total de 16,17 pontos (em 20 possíveis). “Antes do heat estava nervoso, mas com a primeira onda, quando ela veio, deixei de estar, fiquei calmo. Correu bem e ainda bem. Este foi um ano muito difícil e estou muito feliz de estar aqui.”, disse Carlos Munoz.

 

Carlos Munoz da Costa Rica..(Pedro Mestre)

 

Também Samuel Pupo continua a brilhar no MEO VISSLA PRO ERICEIRA. O surfista brasileiro, irmão de Miguel Pupo, alcançou neste round 3 um score total de 16.07 pontos (em 20 possíveis), somando duas excelentes ondas (7,17 + 8,90 pontos). De recordar que o jovem surfista venceu em 2019 o QS 10.000 que decorreu em Ribeira D’Ilhas e por isso as memórias da Ericeira não podiam ser melhores.  “Foi uma onda muito boa. Vi-a e percebi que ia ser boa. Como mais ninguém remou, aproveitei. Depois consegui passar para primeiro lugar no heat. Antes da bateria, estive com o meu pai no topo das rochas, estivemos a avaliar as condições, estou tranquilo. Para o resto do dia, os planos são relaxar, ver os heats das mulheres, até porque estão a surfar muito bem”, disse Samuel Pupo.
Pelo caminho neste 3.º round masculino ficaram o australiano Jacob Wilcox, o norte-americano Jake Marshal, os brasileiros Matheus Herdy e Ian Gouveia, o francês Kauli Vaast. Já na prova feminina, entre outras, foram eliminadas, nos oitavos de final, além de Yolanda Hopkins, as australianas Keely Andrew (surfista do CT) e India Robinson que havia estado nos últimos dias também em destaque nesta etapa do Challenger Series.


A próxima chamada do MEO Vissla Pro Ericeira está agendada para amanhã, sexta-feira, dia 8 de outubro, às 7h35, para avaliação das condições.

 

Itens relacionados

Perfil em destaque

Scroll To Top