Filipe Toledo e Tyler Wright são os vencedores do Rip Curl Pro Bells Beach

Filipe Toledo e Carissa Moore são os atuais líderes do ranking mundial

 

 

 

 

 

No último dia do Rip Curl Pro Bells Beach que se realizou na madrugada portuguesa, o mar começou a despertar nas meias finais femininas, depois voltou a adormecer quando se iniciaram as semi finais masculinas e a WSL decidiu interromper a prova durante 2h30. Quando a ação retomou o aspecto apresentava-se diferente, mais consistente mas também mais pequeno, com a maré mais cheia e com muito vento offshore.

A primeira a saber que teria o seu nome no trófeu foi Tyler Wright, que conseguiu as melhores notas do dia, duas notas na casa dos 8 pontos, e o melhor score combinado, 16.93 pontos. Esta é a primeira vez que a australiana balança o sino em Bells Beach. “Trabalhei tanto para estar aqui. É mais do que uma vitória”, disse após ser levada aos ombros

 

 

Os grandes vencedores  - Ed Sloane/World Surf League

 

 

 

 

Finais femininas: Tyler Wright X Carissa Moore:

 

A australiana teve pela frente Carissa Moore, vencedora por 4 vezes no palco onde decorreu esta quarta etapa do circuito mundial. Tyler Wright já havia expressado inúmeras vezes a vontade de vencer nesta etapa que é das mais antigas do Tour e entrou para as finais determinada a satisfazer a sua ambição. Abriu o heat com manobras bem combinadas, aplicando o rail com força no lip. Os juízes não tiveram alternativa senão darem-lhe um 8.93 pontos. Ainda não tinha chegado ao line-up quando apanhou outra de seguida para recrutar um backup de 4.50 pontos e marcar um sólido começo.

Carissa Moore não cedeu à pressão nem no início, nem perto do fim quando a distância da adversária era cada vez maior. Encontrou uma onda que trabalhou não parando de mexer a prancha mas com o vento a complicar-lhe a vida, a havaiana não conseguia finalizar e bater nas junções cruciais, conquistanto um 4.80 pontos. Sempre que Moore apanhava uma onda, Tyler Wright ripostava e em momento algum deixou a porta aberta a Carissa.

Limitava-se a trocar os scores que já tinha por outros ainda mais elevados. Com uma boa leitura de ondas, chegou a conquistar um 8 pontos redondos e a deixar a atual líder do ranking mundial, Carissa Moore, em combinação. Esta não cai com facilidade e mesmo sob pressão tentou reverter a situação mas só um 5.77 pontos contou para o somatório final.

Tyler Wright, que ocupa agora o segundo lugar no ranking, venceu com 16,93 pontos e Carissa Moore ficou em segundo lugar com 10,57 pontos. 

 

 

 

 

Finais masculinas: Filipe Toledo X Callum Robson:

Quem também venceu pela primeira vez em Bells Beach foi Filipe Toledo. Na bateria contra Callum Robson, não houve espaço para recuperar o fôlego, ambos apanharam tantas ondas quanto puderam mas o vento favorável à manobra favorita do brasileiro, não o tirou da liderança até ao final do heat. As rampas estavam formadas e Filipe Toledo domava e deslizava a prancha desenhando linhas e finalizando com aéreos. A primeira onda valeu-lhe um 8.17 pontos, que se foram somar aos 6 pontos já adquiridos.

O rookie Callum Robson procurou levar a garra até ao fim. “Robson está aqui para jogar o jogo e joga-lo bem”, diziam os comentadores enquanto viam o australiano enfrentar Toledo em pé de igualdade. Começou por agarrar um 5.17 pontos e logo conquistou um 7.77 pontos, ficando a precisar de um 6.41 pontos.

Enquanto isso, Filipe Toledo tornou a pôr a prancha sob controlo e já tinha alcançado um 6.57 pontos com a rapidez e fluidez que lhe é característica.

Callum Robson perdeu o heat mas registou o seu nome entre os melhores, ficando em segundo lugar na  59º edição do Rip Curl Pro Bells Beach. Este foi o melhor resultado até então numa etapa do Tour.

 

 

 

Semi-finais

 

Tyler Wright X Courtney Conlogue: trocas e reviravoltas:

As semi-finais femininas puseram em confronto no primeiro heat Tyler Wright e Courtney Conlogue. Nenhuma conseguiu aquecer a liderança por muito tempo já que a resposta da adversária chegava a toda a velocidade.

Conlogue foi a primeira a definir a escala de notas para o dia e a elevar a fasquia, após conseguir um 7.50 pontos com manobras fortes. De seguida Tyler Wright arrancou um 5.83 pontos e um 6.90 pontos subindo para primeiro mas Conlogue rapidamente assumiu novamente o primeiro lugar após uma nota de 6.40 pontos, deixando a australiana a precisar de um 7.01 pontos a 10 minutos para o fim. Tyler Wright não temeu tamanha exigência e correspondeu às expectativas: deixou a assinatura com um layback crítico e aguentou-se na secção final, alcançando um 7.33 pontos, a melhor nota do heat. Conlogue que já tinha vencido em Bells três vezes, tendo a última sido em 2019, viu fugir-lhe por entre os dedos o quarto troféu, acabando por ser eliminada. “Estou orgulhosa mas trabalhei muito para estar aqui”, disse Tyler Wright na entrevista pós-heat.

 

 

 

Carissa Moore X Brisa Hennessy: O adeus à lycra amarela:

Sucedeu-se a bateria entre a 1º e a 2º colocada no ranking, num heat deciso que estabelecia quem levaria a lycra amarela para a próxima etapa em Margaret River.

Soou a buzina que ditava o início da heat e ambas lutaram para apanhar a primeira onda. Embora Brisa estivesse na prioridade acabou por não entrar e cedeu a onda à adversária, já experiente em Bells Beach após ter vencido por 4 vezes. Carissa aproveitou para tirar um 7.33 pontos com manobras bem combinadas e com pressão.

Brisa foi mais paciente ora calculadamente, ora por pressão, e só a meio do heat apanhou a primeira onda de 6.70 pontos. Carissa Moore não esperou que a adversária terminasse a onda e entrou na que se seguiu alcançando um backup de 7.17 pontos. Apesar do pouco espaço de manobra que a falta de tempo assinalava, Brisa encontrou uma onda favorável a oferecer-lhe um 7.70 pontos ficando a necessitar de 7.43 pontos para avançar. Carissa Moore pôs a experiência a falar mais alto, manteve-se ativa e não parou de desenhar arcos e entrar em ondas quer do set quer mais inferiores acabando a roubar a lycra amarela das mãos de Brisa Hennessy que desce para terceiro lugar no ranking e cede o lugar à havaiana.

 

 

Filipe Toledo X Ethan Ewing: australiano encurralado com os sets demorados:

Se o mar já estava a acordar e ia lançando sets cautelosamente, o ápice desta demora aconteceu no primeiro heat masculino. Filipe Toledo antecipou-se e mal começou o heat apanhou uma onda pouco promissora mas fez sair dois aéreos pondo na conta um 6 pontos.

Esta cotação deu indícios daquilo que os juízes pretendiam ver em Bells Beach, pelo menos no início da manhã tendo em conta as condições, e que foi inclusive dito pelo ex-juíz-chefe da WSL, Richie Porta, no decorrer do heat feminino: “surf forte nas maiores secções”. Mas o mar não estava virado a oferecer grandes ondas e grandes secções. Tanto que 25 minutos se passavam e Ethan Ewing tinha um score final de 0 pontos.

Filipe Toledo ainda apanhou uma onda para trocar de prancha onde pôs a velocidade em ação e manobrou com a fluídez característica, conquistando 4.73 pontos.

A 5 minutos do fim Ethan apanhou uma onda pouco promissora no mar que se apresentava fraco e lento e agarrou um 3.43 pontos, ficando a precisar de 7.30 pontos. A última onda que veio para si, já que detinha a prioridade, parecia ser a réstia de esperança que necessitava mas o australiano acabou por cair após a primeira manobra. Concedeu, desta forma, a desforra a Filipe Toledo depois de o ter eliminado no Hurley Pro Sunset Beach.

Depois da primeira bateria das semi-finais masculinas em águas praticamente rasas, a WSL interrompeu a prova durante 2h30 e quando regressou foi posto no ar o heat entre Jack Robinson e Callum Robson.

 

 

Jack Robinson X Callum Robson: sem tempo para recuperar o fôlego:

 

A batalha australiana pôs frente a frente Jack Robinson e Callum Robson que tiveram de se ajustar ao campo de batalha bastante diferente das condições que se apresentavam pela manhã. Jack Robinson apanhou a primeira onda que surfou de forma completa e valeu-lhe um 5.50 pontos. Mas logo de seguida Callum Robson respondeu-lhe com um 4.33 pontos.

Robinson tentou a todo o custo completar aéreos mas sem sucesso. Já Callum teve mais sorte, espremeu a onda e meteu a cereja no topo do bolo quando voou e aterrou na base com um 5.03 pontos, que se somou ao 6.83 pontos.

Poucos foram os minutos em que Callum não esteve na liderança e, apesar de próximo do final Jack Robinson ter alcançado um 6 pontos que entrou para o somatório, não foi suficiente para superar a pontuação do rookie que acabou por ajustar contas já que no Hurley Pro Sunset Beach havia sido eliminado por Robinson.

 

 

Recorde-se que a próxima etapa do circuito mundial decorre também em solo australiano de 24 de abril a 4 de maio, o Margaret River Pro. Será a última etapa antes do mid-seasson cut. Vê aqui as mudanças que o ranking mundial sofreu após o Rip Curl Pro Bells Beach que pôs na liderança Filipe Toledo e Carissa Moore.

 

Ranking Masculino após Bells Beach(Top 22):

 

 

*Frederico Morais encontra-se na 25ª posição com 7,310 Pontos

 

 


Ranking Feminino após Bells Beach(Top 10): 

 

 

 

 

 

  • Créditos fotos: Ed Sloane/World Surf League
Scroll To Top