Final especial com Toledo a repetir o feito do ano passado. Final especial com Toledo a repetir o feito do ano passado. Frame: WSL

Itens relacionados

quinta, 05 julho 2018 13:57

Em J-Bay ganhou o melhor surfista do momento

Filipe Toledo repete a vitória do ano passado! 

 

Terminou o Corona Open J-Bay! E não vale a pena esconder, ganhou o melhor surfista da atualidade - Filipe Toledo! O brasileiro mantém o trono na rainha africana, provou uma vez mais que as finais são para vencer (venceu todas em que participou) e saltou para a liderança do ranking mundial: 

 

1. Filipe Toledo 35900 pts

2. Julian Wilson 31960 pts

3. Gabriel Medina 25685 pts

4. Italo Ferreira 25415 pts

5. Jordy Smith 21910 pts

 

Obs.: Caso estejam a questionar, Frederico Morais subiu três posições e encontra-se agora em 18.º lugar. 

 

Se os nossos leitores bem se recordam, em maio já havíamos explorado a possibilidade de Filipe Toledo se tornar campeão mundial. “O surf de Toledo marca pela velocidade extrema, a rapidez de reação perante um obstáculo e a consistência das finalizações - seja a voar ou de fibra encostada na água”, escrevemos na altura e voltamos a subscrever. 

 

 

Digam o que disserem, o brasileiro está uma velocidade acima da concorrência e tem sido definitivamente o surfista que mais se destacou no universo da WSL nos últimos tempos. Já não testemunhávamos um domínio assim tão evidente desde há muito. Em J-Bay tudo pareceu demasiado fácil para ele, foi como se se tratasse de uma corriqueira volta pelo parque - e nem foi preciso voar muito! 

 

Bem, mas esta foi uma final de proporções bíblicas disputada mano a mano com Wade Carmichael. O rookie australiano, que esta temporada já tinha um segundo lugar registado na etapa do Rio, galga assim oito lugares na tabela e senta-se agora em sexto lugar. Sem dúvida, um lugar onde muitos almejavam estar. 

 

Nos 35 minutos da bateria final, que ao contrário da manhã apresentou vento fraquinho onshore e condições a piorar, Toledo começou melhor a disputa do troféu com 8.50 pontos, ao qual Carmichael respondeu com uma onda de 8.00 pontos.

 

Um nível de surf excelente de parte a parte que ajudou a manter tudo em aberto. A determinada altura, com o australiano a correr atrás de 7.44 pontos, Filipe caiu e abriu espaço para a especulação: Estaria o brasileiro a perder a energia após 4 dias de competição? 

 

Nada disso. Filipe Toledo recupera com uma nova corrida de 8.30 pontos, que passa a ser o backup, e deixa o surfista australiano com um novo número na cabeça e ainda mais longe de alcançar, pela primeira vez, uma vitória no Championship Tour da WSL. Wade precisava agora de 8.80 pontos para virar o heat. 

 

Como restava pouco tempo após a última troca de ondas, encerraram-se as contas do Open J-Bay versão 2018 (16.80 x 15.33 pontos) e Filipe Toledo pôde, finalmente, abrir oficialmente a festa zuca que já tinha lugar pela praia. "É muito bom! É uma sensação muito louca! Vencer novamente em J-Bay é espetacular! Fazer a final com Wade Carmichael foi muito bom. Ele esteve muito bem e surfou muito ao longo do evento. Vou manter o plano, fazer o que tenho feito, que é o meu surf e dar tudo em cada heat, e, bem, vamos ver…”, disse o campeão na entrevista final. 

 

 

Quanto às fases anteriores, destaque para Jordy Smith que terminou em terceiro lugar ex aequo com Kanoa Igarashi. Shaun Tomson, nos comentários, disse que as pranchas de Jordy não estão a funcionar da forma que ele precisa, mas que não é por isso que deixa de ser o surfista mais power da atualidade. O sul-africano, por sua vez, achou que as suas ondas não foram bem pontuadas, especialmente nas meias, e salientou o facto das condições deste últimos dias servirem na perfeição as caraterísticas (físicas e técnicas) de Filipe Toledo. 

 

Já Kanoa Igarashi arrancou na África do Sul um grande resultado, que o leva até ao 17.º lugar do ranking (subiu oito posições), e pelo caminho surpreendeu tudo e todos com um surf moderno, muito rápido e extremamente variado. Gostámos muito. Atravessa um grande momento o atleta japonês, nós diríamos que se encontra num ótimo pico de forma e pronto para voltar a surpreender mais vezes. Assim o esperamos. 

 

Quanto a Julian Wilson, que chegou a esta etapa na liderança do circuito e se despede no segundo lugar, a 3940 pontos do topo, resta dizer que não surfou mal e cumpriu os mínimos exigidos. Está tudo em aberto e faltam 5 etapas por cumprir. No entanto, com vista a se tornar campeão mundial no final da temporada é preciso mostrar um pouco mais, soltar mais o fogo interior como tem feito por inúmeras ocasiões, por exemplo, o rival Toledo. 

 

Para os homens, a próxima etapa do World Tour, a sétima de 11, vai acontecer somente em agosto, de 10 a 21, no mítico spot de Teahupoo, no Taiti. No entanto, amanhã, tem início o período de espera da categoria feminina do Corona Open J-Bay que podes seguir a acompanhar a partir das 7h30.

 

Heats do Round 1

 

Heat 1: Johanne Defay (FRA), Sally Fitzgibbons (AUS), Sage Erickson (USA)

Heat 2: Tyler Wright (AUS), Silvana Lima (BRA), Bronte Macaulay (AUS)

Heat 3: Lakey Peterson (USA), Malia Manuel (HAW), Bianca Buitendag (ZAF)

Heat 4: Stephanie Gilmore (AUS), Nikki Van Dijk (AUS), Macy Callaghan (AUS)

Heat 5: Tatiana Weston-Webb (BRA), Keely Andrew (AUS), Courtney Conlogue (USA)

Heat 6: Carissa Moore (HAW), Caroline Marks (USA), Coco Ho (HAW) 

 

CLICA AQUI PARA VER COMO FICOU O PORTUGUÊS FREDERICO MORAIS

Perfil em destaque

  • Manuel Oliveira Manuel Oliveira

    Conhece um dos jovens surfistas da região da Grande Lisboa… 

Scroll To Top