Itens relacionados

domingo, 31 maio 2020 17:52

AS RAÍZES DO SURF DEVEM SER PRESERVADAS - DREW KAMPION

Um exclusivo à Surftotal...

 

Com a massificação da arte de deslizar nas ondas em cima de uma prancha tem-se vindo a verificar uma tendência para aligeirar o seu conceito, tornando o surf em apenas um desporto, coisa que o surf não é só.

A imprensa especializada e os principais agentes do surf têm aqui um papel fundamental na preservação e divulgação da história e cultura do surf, passando-a com eficácia de geração em geração, por forma a manter as bases sólidas de uma pirâmide que representa em todo o mundo mais de 30 milhões de praticantes e uma Indústria em crescimento.

 

A Surftotal tem estado à conversa com as mais diversas personalidades da história do surf nacional e internacional que nos têm vindo a deixar o seu testemunho e opinião sobre a situação actual da história e cultura do surf.

 

Tem a palavra Drew Kampion, Jornalista Norte Americano que para além de ter sido editor de diversas publicações de surf, como a Surfer e Surfer Magazine, escreveu um dos mais icónicos livros de surf de todos os tempos - Stoked, foi também o primeiro (2008), escritor a estar presente no Hall of Fame do Surf em Huntington Beach, Califórnia.

Drew nasceu em 1944 (Buffalo, Nova York) é casado e com dois filhos, e vive numa ilha no estado de Washington.


 

 

 

"O surf é um desporto e um estilo de vida e,

 

em grande parte devido à evolução dos nossos media,

 

é também uma cultura de fãs, cada vez mais como os outros desportos..."

 

 

 

 

Drew Kampion na Actualidade - Click por Jim Carroll‎

 

 

Surftotal: A cultura do surf tornou-se um alicerce sobre o qual o surf como desporto e estilo de vida se baseou. A sua importância em preservar o culto, assim como o mercado, tem sido evidente. Estás de acordo com esta afirmação?


Drew Kampion: Essa afirmação parece um pouco estranha. O surf é um desporto e um estilo de vida e, em grande parte devido à evolução dos nossos media, é também uma cultura de fãs, cada vez mais como os outros desportos. E, como nos outros desportos acompanhados de um estilo de vida (outrora obscuros), a "comercialização" e a "popularização" do surf  elevaram-no e degradaram-no, em comparação com os ideais puristas incorporados durante sua "era de ouro" (anos 50 e 60). A ideia do surf como um mercado seria inconcebível para os seus pioneiros - o mesmo acontece para outros pioneiros, qualquer que seja o desporto ou empreendimento ... e o eventual "mercado" com suas "marcas" associadas.

Mas, certamente, as raízes do surf devem ser preservadas (alimentadas) para que o estilo de vida principal possa sobreviver e não ser estrangulado pela forma (indústria e estilo de vida) que se alimenta dele. Algumas décadas atrás, essa era a divisão entre os surfistas da indústria e os surfistas de alma. Quão diferentes estes são é parcialmente uma questão de que lado estes realmente estão.  Já quando estão na água, a viver o momento, talvez eles não sejam assim tão diferentes.

 

 

 

 

"As raízes do surf devem ser preservadas (alimentadas)

 

para que o estilo de vida principal possa sobreviver..."

 

 

 

 Drew Kampion (acompanhado do fotógrafo Art Brewer) durante o ano de 1969 quando Drew era editor da Surfer - imagem de Brad Barrett (tirada nos escritórios da famosa revista Norte Americana em Capo Beach)

 

 

Surftotal: Quais são os alicerces da cultura do surf? Se a comunidade do Surf tivesse uma “Bíblia”, qual livro de surf refletia mais a cultura do surf?

Drew Kampion: Talvez a “Bíblia” seja o livro de Tom Blake, Hawaiian Surfboard, publicado em 1935. Esse livro e as suas outras publicações subsequentes, incluindo “Voice Of The Wave” e “Voice Of The Atom”, revelaram a perspectiva espiritual central de Blake sobre a vida neste planeta e as suas ondas. Isso, junto com seu estilo de vida não materialista e nómada, modelou os valores mais "anti-establishment" do surf nos anos 60 e 70 e até aos dias de hoje (um pouco por todo o lado).

 

 

 

"Talvez a “Bíblia” seja o livro de Tom Blake, Hawaiian Surfboard..."

 

 

 

 

Drew Kampion durante uma  sessão de surf em 1969 - Arquivo Pessoal

 


Surftotal: Na tua opinião é essencial que as Marcas de Surf sejam um dos principais agentes de incentivo ao Culto do Surf? Se sim, por quê?

 

Drew Kampion: Somos mamíferos que vivemos num planeta no espaço sideral e (como todos os mamíferos) temos que comer e ter um abrigo. Descobrir como fazer isso é o desafio singular das nossas vidas físicas. Como integramos isso nas nossas essências espirituais ou transcendentes é outra questão - provavelmente o desafio definitivo das nossas vidas emocionais e espirituais. Conectar estes dois lados da nossa natureza é uma questão com a nossa resolução pessoal das dualidades inerentes à vida. O surf pode servir como um excelente veículo para essas resoluções. Pode ser um caminho. Para muitos, acredito que tenha sido e continua a ser, quaisquer que sejam as suas formas.

 

 

 

 

"O surf é uma das actividades humanas mais simples.

 

Em boa verdade nem precisas de uma prancha..."

 

 

 

 

 

O famoso livro de Drew Kampion Stoked

 

 

 

"Tudo que precisas é da atitude, e esse é o começo da viagem..."

 

 

 

 

Surftotal: Quais são os principais agentes que actualmente propagam e enraízam a cultura do surf?

Drew Kampion: Aqui estamos na era do confinamento. Faz lembrar um surfista dentro de um tubo, não é? Muitas praias estão fechadas. Que ironia! Exatamente quando mais precisamos surfar, não é? Mas, em última análise, o surf é uma das atividades humanas mais simples. Em boa verdade nem precisas de uma prancha. Tudo o que precisas é da atitude, e esse é o começo da viagem.

 

Surftotal:  Os Antagonistas?

Drew Kampion: Amazon, Apple e Microsoft. Estou a brincar, mas também há alguma verdade nisso - na minha opinião, e claro, vale o que vale. Tu não podes voltar atrás novamente, mas podes encontrar o caminho através do presente para o campo que o atrai, e pessoas de todo o mundo estão a encontrar o seu caminho para a água e para as ondas, onde o mundo é tão "velho e novo" como sempre foi. Eu não "sei" isso, mas acredito.

 

 

 

"O mundo é tão "velho e novo" como sempre foi..."

 

 

 

Drew considera o livro de Tom Blake, Hawaian Surfboard, como a bíblia do surf

 

 

 

Surftotal: Podes citar dois surfistas em todo o mundo que, na tua opinião, são leais e carregam os principais valores da cultura do surf e a capacidade de transmiti-la (espalhar) naturalmente?

Drew Kampion: Isso é muito difícil de responder, já que nem tudo isso está relacionado à grandeza e amplitude da experiência e exposição que esta pergunta deseja expor. Provavelmente quase todas as pessoas que conheci no mundo do surf tiveram que se comprometer. Bom, mas estás realmente a perguntar, quem são os nossos "santos"? É difícil não responder com clichês. Mas ícones e santos não são necessariamente os mesmos; na verdade, provavelmente é raro que sejam. Então ... enquanto eu amo o Kelly Slater, de 48 anos, que surfa a um nível inconcebível de destreza, fazendo quase tudo bem e justo na arena pública e, além de Kelly, Laird Hamilton porque exibe um domínio de leão na selva aquática, também Keala Kennelly ao surfar aquela onda em Teahupo, e assim por diante ... quem sabe ??? A probabilidade é que haja alguém que eu não conheça, porque "esses" podem não se querer dar a conhecer. Duas personagens que cruzaram o "espaço da alma" de um Tom Blake ou um Woody Brown com um pouco de ressaca de Miki Dora.

 

 

 

Surftotal: É possível comentar esta afirmação - “a cultura e a história de um povo são transmitidas e trabalhadas de geração em geração por pessoas. Sem isso, não há cultura que possa ser preservada e que possa levar ao colapso de uma civilização! ”

Drew Kampion: Não sei exatamente o que significa, mas de um modo geral concordo. Como isso realmente acontece, eu não sei, mas isso ressoa com um tipo de aforismo que ouvi uma vez e que ficou-me na memória: "A passagem de energia através da matéria organiza a matéria". E isso pode ser uma coisa boa ou não tão boa. Pode levar à cristalização - estase e rigidez, ou pode levar a catedrais góticas e tubos sublimes, aqueles intermináveis em que sobes e desces a onda dentro do tubo.

 

 

"A passagem de energia através da matéria organiza a matéria"

 

 



Surftotal: Última pergunta, como estás a passar os dias durante esta quarantena devido ao Covid 19?

Drew Kampion: Tempo em família, andar um pouco de bicicleta, a comer um pouco demais, a assistir à TV, a observar as nuvens e flores ... mas, infelizmente, aqui as praias estão fechadas.


 

 

Drew durante o confinamento a dar umas voltas de bicicleta. Arquivo pessoal

 

 

Perfil em destaque

vimeo

 

 

Scroll To Top