João Zamith juntamente com o Presidente da Câmara de Viana do Castelo durante a celebração dos 30 anos do Clube João Zamith juntamente com o Presidente da Câmara de Viana do Castelo durante a celebração dos 30 anos do Clube

Itens relacionados

quinta-feira, 21 maio 2020 17:13

"É nos clubes de surf que se encontram as oportunidades de crescimento" - João Zamith

Surf Clube de Viana é um dos Clubes mais activos de Portugal...

 

Na sequência da notícia da Federação Francesa de Surf e das possibilidades de abertura das praias naquele País, certamente coordenada com as diversas autoridades Francesas, FFS e clubes. E por que em Portugal a Federação Portuguesa de Surf também ter feito uma proposta para utilização das ondas, fomos saber como estão os Clubes de Surf em Portugal. Estes desempenham um papel importante por estarem no terreno, conhecerem bem a área, atletas, free surfers, hábitos, costumes e necessidades. Na verdade do ponto de vista externo com o boom das escolas de surf, os clubes “apagaram-se” um pouco.

Quais serão os motivos?  Pouca competição a nível colectivo?
Pouca representação local?
Falta Dirigentes?
Fomos tentar saber junto de alguns dos principais Clubes de Surf a nível nacional.

 

 

Responde o Surf Clube de Viana representado por João Zamith:

 

 

 

 

"Não obstante estarem registadas dezenas de clubes na FPS apenas, no máximo,

uma dezena estão a cumprir com o verdadeiro sentido de clube de surf..."

 

 

 

Marta Paço e João Zamith

João Zamith e Marta Paço
 

 

 

 

 

 

"os grandes eventos mediáticos captam o público em geral

e “secam” a oportunidade

 

de obtenção de apoios/patrocínios que poderiam ser distribuídos aos clubes..."

 

 

 

Surftotal: Nos últimos anos tem-se verificado menor actividade e visibilidade dos Clubes, concordas? Que razões existirão, pouca competição a nível colectivo?


Surf Clube de Viana (João Zamith) - Não obstante estarem registadas dezenas de clubes na FPS apenas, no máximo, uma dezena estão a cumprir com o verdadeiro sentido de clube de surf, como uma organização aglomeradora de uma comunidade, com a inerente transmissão de uma identidade de valores de vivência saudável e cidadania ativa. Para o desporto, é nos clubes que se encontram as oportunidades de crescimento, onde se inicia a prática e onde esta se desenvolve a par do respeito pela natureza. É também onde podem aparecer os títulos... e onde se pode trilhar novos percursos de vida e de boas práticas.
É de extrema importância que aos dirigentes lhes sobre coragem e resistência, muitas vezes à custa de sacrifício da vida pessoal, e, acima de tudo, privilegiem o apoio à comunidade.

É elementar que os clubes desenvolvam uma escola de formação de valores sociais, disponham de recursos humanos qualificados, de várias equipas, desde a iniciação à competição, proporcionando, assim, a participação e organização de eventos.

Para reunir todos os requisitos, contando ainda com a ausência lucrativa das associações, é uma tarefa dificílima. Contudo, parece-me que, em maior ou menor escala, os clubes de surf em Portugal têm contribuído para o desenvolvimento dos valores do desporto a par da cooperação e respeito entre todos.

A visibilidade dos clubes é notória a nível local. A dificuldade está em trabalhar bem na sua comunidade e alcançar o impacto nacional ou internacional. No entanto, mais cedo ou mais tarde, as boas práticas ultrapassam fronteiras.

Esta entrevista é um bom exemplo de iniciativa e um bom veículo de visibilidade da dedicação e do trabalho em prol do surf nacional.

Claramente que os grandes eventos mediáticos captam o público em geral e “secam” a oportunidade de obtenção de apoios/patrocínios que poderiam ser distribuídos aos clubes, mas o que enaltecemos é o nosso trabalho diário com a comunidade 365 dias por ano.

E é este o difícil papel enquanto clubes com menos apoios.

 

 

"Os clubes de surf em Portugal têm contribuído

para o desenvolvimento dos valores do desporto..."

 

 

 

 

Surftotal: Como tem sido a vida dos Clubes nos últimos tempos?



Surf Clube de Viana (João Zamith) - O SCV é um dos clubes mais antigos, a primeira escola de surf em Portugal e parceiro gestor do Centro de Alto Rendimento de Surf de Viana do Castelo.

Conhecer a doença Covid-19 agitou-nos.

Em meados de março, tínhamos uma atleta e um treinador, Marta Paço e Tiago Prieto, integrados na Equipa Nacional, a caminho do título mundial do ISA Para Surfing, em San Diego, na Califórnia. Já em território americano, pelo presidente Trump foi decretado o encerramento das ligações aéreas com a Europa, o que obrigou a equipa a perder a oportunidade e regressar (de imediato) a Portugal. Foi um ano de sacrifício, empenho e investimento do clube, treinadores e atleta que se revelou infrutífero com o impedimento da participação na competição porque esperávamos que a dupla regressasse campeã do mundo.

Quanto à situação do risco da saúde sem precedentes que vivemos, numa semana, o SCV implementou um original plano de contingência. Consiste no desenvolvimento, execução e transmissão online de treinos de preparação física, mental (psicologia), surf técnico, entrevistas a diversas individualidades do mundo do surfing e também, por acrescida preocupação, vários momentos de convívio para a manutenção da componente associativa entre sócios, atletas, treinadores, voluntários e dirigentes.

Outra atividade que estamos a desenvolver é a promoção do património imaterial do SCV, com o a rúbrica #SurfingVianaCutback, que, bissemanalmente, traz a público (redes sociais do clube) os principais momentos, dos 31 anos de vida do SCV, no panorama nacional e internacional. É uma boa forma de (re)lembrarmos a nossa essência e os nossos começos e dá-los a conhecer às novas gerações, contribuindo para um futuro sustentável.   

E como em todas as crises encontram-se oportunidades, foi também tempo de desenvolver projetos nacionais e europeus de financiamento, de forma a acautelar a continuidade da nossa autonomia financeira e sustentabilidade, contando com parceiros de renome europeu.

Não posso perder a oportunidade de dirigir uma palavra de estima à minha direção, equipa técnica e voluntários do Corpo Europeu de Solidariedade que, com as vidas “suspensas”, foram, como sempre, incansáveis. Mais uma vez, estivemos à altura e arrisco até dizer que superámos o desafio. É este o ADN do nosso clube!

 

 

 

"Tem sido um ano de sacrifício, empenho e investimento do clube..."

 

 

 

 

 

 

A Direcção do Surf Clube de Viana - Maio de 2020

 

 

 

Surftotal:Tem havido ou está previsto algum tipo de contacto e/ou apoio de entidades desportivas a nível local e nacionais?

Surf Clube de Viana (João Zamith) - A FPS e a AESP desenvolveram um plano de apoio aos clubes para o regresso à atividade desportiva, nomeadamente, manuais de apoio, formações em medidas de proteção da saúde e segurança para implementação por parte dos clubes, que nos foram bastante úteis.

A nossa equipa tem reunido a mais variada informação e está a trabalhar, sem pressas, para que o regresso se faça no superior interesse da proteção da saúde.

Aproveito para felicitar a FPS e AESP pelas ações promovidas no bom regresso à nova realidade.

Apesar de já estarem autorizadas e definidas as condições para o reinício da atividade desportiva ao ar livre, o SCV só o fará quando considerar estarem reunidas e asseguradas as condições de saúde e segurança para toda a equipa e atletas.

Os clubes/escolas que reiniciam a atividade devem fazê-lo de forma muito consciente e sempre na proteção da saúde pública ou as consequências poderão ser dramáticas para a sociedade em geral e para o desporto, concretamente para o surf.  

O SCV é parceiro da Rede Mundial de Cidades de Surf como o ESC e, nos tempos que vivemos, temos trabalhado em conjunto, no sentido de apoiar algumas cidades/países parceiros, que ainda sofrem da proibição da prática do surf. Na verdade, temos tido um papel determinante na partilha das medidas já adotadas por Portugal.  

 

 

 

"A FPS e a AESP desenvolveram um plano de apoio

aos clubes para o regresso à atividade desportiva..." 

 

 

 

Equipa Surf Clube de Viana - Maio 2020

 

 

Surftotal: Sabendo que todas as praias têm características diferentes, consideras que clubes deveriam estar de alguma forma envolvido na abertura das praias?


Surf Clube de Viana (João Zamith) - Os clubes, em princípio, são constituídos por surfistas e muitos deles experientes, portanto, bem conhecedores das praias e da comunidade local.
Naturalmente que a sua participação ativa na abertura das praias, configurações e decisões é elementar, não obstante os decisores pretendem ignorar.
Os surfistas são, em regra, grandes promotores da sustentabilidade, defensores do ambiente, praias e oceanos.
Contam, na sua grande maioria, homens ativos na sociedade, com formação académica superior e muitos ocupam cargos de especial relevância na nossa sociedade sendo que podem ser a contribuição determinante para o bom funcionamento e boa utilização dos ambientes costeiros.


 

Surftotal: Algo mais a dizer?

Surf Clube de Viana (João Zamith) - Felicito todos os que deram o exemplo na abstenção da prática durante o período de Estado de Emergência, e que, apesar de integrarem a exceção, concretamente os atletas de alto rendimento, optaram por não o fazer, numa admirável atitude de respeito e solidariedade nacional. E entre eles, encontramos as nossas atletas Marta Paço e Ângela Fernandes. Verdadeiros exemplos.  

Obrigado Surf Total pela oportunidade concedida aos clubes de surf de Portugal.
Aproveito para endereçar um abraço a todos os dirigentes. Bem hajam, coragem e por agora e durante um tempo, que se estima longo, proteção!
#surfingviana
Aloha.

 

 

"A participação ativa dos clubes de Surf

 

na abertura das praias, configurações e decisões é elementar,

 

não obstante os decisores pretendem ignorar..."

 

 




João Zamith na sua onda de eleição

Perfil em destaque

vimeo

 

 

Scroll To Top