Itens relacionados

domingo, 17 novembro 2019 14:23

Ciência prova que nível dos oceanos desceu 40 metros há 30 mil anos

e voltou a cair outros 20 metros há aproximadamente 22 mil anos....

Segundo um artigo do DN baseado num estudo oficial, há uma equipa internacional de cientistas que comprovou o nível dos oceanos ter registado uma descida brusca de 40 metros, há 30 mil anos, tendo voltado a cair outros 20 metros há aproximadamente 22 mil anos.

A investigação, em que participa a Universidade de Granada e cujos resultados têm vindo a ser publicados na revista Nature, analisou as mudanças do nível do mar durante o último glaciar máximo utilizando dados geomorfológicos, sedimentológicos e paleontológicos do fundo marinho.


O último glaciar máximo foi o período mais frio da história geológica recente da Terra, que provocou uma enorme acumulação de gelo nas regiões polares, fazendo descer consideravelmente o nível dos oceanos, o que provocou uma mudança na configuração das terras imersas. Os investigadores afirmaram que, após a brusca descida de 40 metros há 30 mil anos, o nível do mar se manteve bastante estável até voltar a cair 20 metros há cerca de 22 mil anos. A partir desse momento, produziu-se uma subida lenta do nível do oceano que se acelerou há uns 17 mil anos para desacelerar há 7 mil anos e chegar lentamente aos últimos metros de subida até aos níveis actuais.


"A mudança do nível do mar devido a mudanças do clima é um fenómeno conhecido desde o século XIX e os valores aproximados da descida foram estimadas nas últimas décadas", explicou o catedrático de Paleontologia da Universidade de Granada Juan Carlos Braga, um dos autores do trabalho.

 

Um dos exemplos mais evidentes desta dinâmica da descida e subida das águas do mar é a situação de Peniche e Baleal. Nesta imagem comparada entre os séculos 18 e tempo actual.

Os investigadores precisaram quer a cronologia quer os valores de variação do nível global dos oceanos durante o último glaciar máximo, graças a dados geomorfológicos e de sedimentação do fundo marinho. Analisaram também os testemunhos obtidos na perfuração com 34 sondas no subsolo da margem da plataforma no nordeste da Austrália, comparando com dados da Grande Barreira de Coral australiana.


"As descidas bruscas do nível do mar detectadas durante o último glaciar máximo são facilmente explicadas pela mudança climática", destacou o catedrático, que explicou que os dados parecem indicar que houve períodos extremos de calor e frio que são pouco conhecidos dos cientistas."Identificar com precisão a magnitude e cronologia das mudanças do nível do mar e do solo são importantes para entender a dinâmica do clima global e também fundamental para entender as conexões das ilhas entre si com os continentes e poder decifrar migrações de espécies, incluindo a humana", concluiu Juan Carlos Braga.

 

Este estudo acaba por também deixar perceber nas entre linhas que de facto existem fenómenos climatológicos e geológicos cíclicos no planeta Terra e a questão que se coloca é - para quando um novo recuo nas águas Oceânicas no nosso Planeta?

Perfil em destaque

Scroll To Top