quarta, 11 dezembro 2019 05:02

FREDERICO MORAIS ELIMINADO DO CT BILLABONG PIPE MASTERS 2019

Gabriel Medina faz o melhor total combinado do dia e mantém convicta a renovação do título Mundial...

Como seria glorioso ver Frederico Morais conquistar a Triple Crown Havaiana 2019 e logo no palco mais prestigiado e também mais difícil do surf mundial. Pipeline é uma onda descrita pelos mais experientes surfistas do Mundo como sendo muito pesada, muito difícil, muito perigosa e também muito técnica. A estes factores junta-se ainda o localismo e crowd extremo durante todos os dias em que a onda funciona o que faz com que surfar a onda de Pipeline, por mais vezes que se entre, acaba por não ser tarefa fácil e contam-se pelos dedos de uma mão as ondas que por lá se conseguem apanhar numa sessão.... Bom a não ser que seja um surfista local como John John Florence ou outros surfistas locais que "dominam" a sua relação com a onda e com os restantes locais de Pipe.

Vamos à história do heat de Frederico Morais. Este após ter sido relegado para a ronda dois das repescagens encontrava dois locais de Pipeline, John John Florence e Sebastien Zietz. Talvez o heat mais dificil da ronda dois. Não é costume Frederico ter boas performances em Pipeline, (como todos sabemos enquanto jovem, Frederico teve uma queda muito forte naquela onda que o levou ao hospital onde apanhou diversos pontos na cabeça). Mas Frederico tem mostrado já ter ultrapassado essa situação e a sua aproximação às ondas durante o dia de hoje deu para interpretar que o príncipe Português estava preparado para guerrear contra os melhores do mundo. As ondas de cerca de dois metros de altura a quebrar por vezes tubulares tanto para Pipeline como para Backdoor mantinham as emoções no ar durante todo o dia. Sebastien começava melhor o heat com uma onda de pontuação média após fazer um bom tubo para Backdoor seguido de uma boa rasgada no critico. Logo de seguida era a vez de John John, que se encontra ainda a recuperar de uma lesão no joelho, fazer um tubo mais pequeno para a esquerda onde obtinha uma pontuação baixa de 2,77 pontos em 10 possíveis. Já o atleta Português dropava atrás do pico, uma bomba para a esquerda e não conseguia sair, (a onda que tinha aparecido com mais potencial até ao momento). John John que parecia meio adormecido (não é normal encontra-lo na ronda 2) e quando passavam cerca de 10 minutos do inicio do heat arrancou para Backdoor (atrás do pico) e de forma controlada efectua o tubo do heat obtendo 6,50 pontos em 10 possíveis. A luta pelo primeiro lugar começava a ficar definida entre os dois surfistas Havaianos. Frederico Morais entretanto escolhia de novo uma esquerda com bastante potêncial onde encaixa para dentro do tubo, (dropa atrás do pico), mas de novo não consegue sair. Até ao final do heat John John e Sebastien faziam duas ondas de backup na casa dos quatro pontos, ambas com tubos, respectivamente para Backdoor e Pipeline. Frederico continuou a focar-se nas esquerdas até ao final do heat mas acabaria por apenas conseguir sair de um tubo curto vendo a sua eliminação precoce acontecer nesta ronda 2 do CT Billabong Pipeline Masters 2020.

Foi um dia pleno de emoções em que Gabriel Medina mais uma vez se mostrou totalmente à vontade em Banzai Pipeline, fazendo uma pontuação total excelente de 17.30 pontos na ronda 1. Surpreendente foi também a prestação de Billy Kemper, surfista Havaiano, que ao ganhar uma vaga após conquistar os trials que deram acesso ao evento principal brilhou no seu heat passando com distinção na primeira posição com 15,63 pontos em 20 possíveis. (à frente do lider do ranking Mundial Italo Ferreira e também de Michael Rodrigues).

 

Frederico Morais disse, assim, adeus ao sonho de conquistar a Triple Crown, depois de ter começado a prestação neste sub-troféu com um triunfo no QS10000 de Haleiwa. As derrotas precoces em Sunset e Pipe acabaram por afastar o português desse título que seria inédito no surf nacional.

Esta foi a sétima de onze etapas do circuito mundial em que Frederico competiu em 2019, num ano em que foi suplente do WCT, destacando-se no 3.º posto obtido no Brasil. Em 2020 Kikas está de regresso a tempo inteiro à elite mundial, depois de este ano ter vencido de forma histórica o circuito de qualificação mundial (WQS).

 

 

 

Relativamente à corrida para o título mundial, todos os atletas que lutam por este prestigiado troféu, Gabriel Medina, Italo Ferreira, Jordy Smith, Filipe Toledo e Kolohe Andino se encontram ainda em prova.

 

 

- Cenários para a conquista do título Mundial -

 

  • Se Italo Ferreira ganhar a etapa de Pipeline vence o título mundial, independentemente de outros resultados

 

  • Se Italo Ferreira ficar em segundo, Gabriel Medina e Filipe Toledo precisarão de vencer o Billabong Pipe Masters para conquistar o título mundial

 

  • Se Italo Ferreira fica em terceiro, Gabriel Medina precisa de um segundo e Filipe Toledo e Jordy precisam vencer em Pipeline

 

  • Se Italo Ferreira ocupar o quinto lugar, Gabriel Medina precisa de um terceiro, Filipe de um segundo e Jordy de ficar em primeiro

 

  • Se Italo Ferreira ocupar o nono lugar, Gabriel Medina precisa de um quinto, Filipe Toledo de um  terceiro, Jordy Smith de um segundo e Kolohe Andino entra na equação necessitando de vencer em Pipeline

 

  • Se Italo Ferreira estiver em 17º ou 33º, Gabriel Medina e Filipe Toledo precisarão de um nono, Jordy Smith de um quinto e Kolohe Andino de um segundo lugar

Perfil em destaque

Scroll To Top