banner topf
segunda, 24 fevereiro 2014 16:05

PISCINA DE ONDAS? COSTA DE CAPARICA E PENICHE SÃO OPÇÕES

A SurfTotal sabe que a WWP foi contactada por empresários portugueses.

 

Por Patrícia Tadeia

Foram já, pelo menos, duas as empresas que contactaram a Webber Wave Pools (WWP) para trazer para Portugal uma piscina de ondas. Costa de Caparica e Peniche são os locais escolhidos. A SurfTotal falou com o responsável pela empresa sobre estes contatos e sobre a próxima piscina que vão construir em Queensland, Austrália.

 

O primeiro projeto diz respeito ao espaço onde se localizava o antigo Ondaparque, na Costa de Caparica. Abandonado há 15 anos, este espaço é hoje um amontoado de graffitis, piscinas vazias e vandalismo, noticiava ontem a SIC. Francisco Martins, um dos responsáveis pelo espaço, garantia ontem que o proprietário tem um projeto aprovado para uma piscina de ondas e um complexo turístico lowcost que visa acolher surfistas. A piscina teria 110 por 350 metros, garantia. Contudo, aguarda ainda a atenção de investidores.

 

Sobre o mesmo tema, Greg Webber, responsável pela Webber Wave Pools (WWP), confirmou à SurfTotal que houve um contacto para criar esta piscina de ondas, mas já há cerca de um ano. “Sei que existe um antigo parque aquático, e alguém falou connosco há uns tempos. Penso que há cerca de um ano”, disse.

 

Quanto a Peniche, em causa está um parque temático que engloba uma piscina de ondas artificiais localizada entre a entrada da cidade e a praia do Baleal. “Fomos contactados por vários investidores e homens de negócios de Portugal sobre a possibilidade de construir um WWP em Peniche. Um deles chegou mesmo a vir à Austrália para experimentar as ondas”, conta. Em declarações à SurfTotal, a mesma fonte citada por Greg confirmou o contacto, mas excusou-se a fazer mais comentários, afirmando: “Neste momento estamos em negociações.”

 

PISCINA DE ONDAS EM QUEENSLAND

De recordar que a WWP e o empresário e surfista David Baird vão construir a primeira piscina de ondas artificiais da Austrália, que estará pronta em setembro de 2015. O projeto tem como objetivo produzir uma onda que pode receber vários surfistas ao mesmo tempo. A SurfTotal quis saber o porquê da escolha de Queensland. “Principalmente porque estamos em negociações com David Baird há já quase 2 anos, mas o fato de ele surfar também fez com que percebesse que este sistema funciona. Às vezes, não há tanto interesse porque o investidor não percebe o projeto”, diz.

 

Mas além de Queensland, há vários projetos para instalar esta piscina de ondas noutros locais. “Na Cidade do Cabo está quase certo, mas no caso da Florida estamos ainda longe de tomar uma decisão. Os investidores na África do Sul querem instalar a piscina até ao fim do ano, o que é fantástico. Estamos a finalizar os acordos e licenças mas está a correr bem. Não são decisões estratégicas, depende de quem investe e se percebem ou não o sistema e vêem potencial no mesmo”, continua.

 

Em causa, com este projeto, está a criação de uma piscina que será capaz de “produzir 500 ondas por hora”, diz Greg Webber. Uma onda que nunca mais acaba será o sonho de qualquer surfista?  “Claro que sim”, assegura Greg, acrescentando que aqui a grande vantagem é a onda em “loop” e o facto de ter uma piscina sem ocupar muito espaço, que faz o maior número de ondas possíveis no menor espaço possível.

 

“Conseguimos produzir 500 ondas por hora numa piscina de 2 hectares, são 250 ondas por hora, por hectar. E vamos voltar à universidade na Tasmânia em breve, para ver se podemos melhorar ainda mais esta equação”, avança. 

 

E claro que, num espaço como estes, Greg gostaria de receber os melhores do mundo. “Queríamos receber todos. E realizar eventos de surf, que se podem realizar em apenas uma hora. Sem pausas e com 500 ondas por hora, é possível”, diz à SurfTotal. “O sistema de julgamento seria muito diferente de qualquer outro no surf. Mas poderíamos fazê-lo porque controlamos as ondas, ao contrário do que acontece no mar. E até podemos colocar cada atleta a surfar a mesma onda, que o anterior surfou, e assim ser avaliado pelos mesmos critérios. Mas claro que não podiam ver as ondas uns dos outros. Por isso seria engraçado ter 15 surfistas numa sala, fechados, sem poder ver a prestação dos outros”, diz.

 

As ondas nesta piscina em Queensland podem ir desde 1 metro a 1,75 metros em segundos. “Podemos fazer ondas maiories, mas queremos manter um máximo de 1,75 metros nesta primeira piscina. Contudo, na da África do Sul, em príncipio serão maiores”, conclui à SurfTotal. Para finalizar, já de seguida podes ver uma animação de como será esta piscina.

 

 


Perfil em destaque

Scroll To Top