Itens relacionados

quarta, 04 julho 2018 10:07

Smartfin - A quilha inteligente que procura salvar os oceanos

Quando o surf une esforços em prol de um bem comum a todos nós...

 

Recolher dados dos Oceanos é muito difícil. Na verdade já existe muita informação sobre as profundezas dos Oceanos e são até vários os satélites que recolhem dados constantemente estando muito bem documentados nesse campo. 

 

No entanto, no que diz respeito a águas pouco profundas, nomeadamente, junto a costa, a zona onde quebram as ondas, a informação disponível é quase… bem, inexistente. É aí que surge a Smartfin, uma quilha inteligente que veio preencher uma lacuna e visa salvar os Oceanos. 

 

O projeto consiste numa vulgar quilha de surf, que não interfere no desempenho do surfista, asseguram os responsáveis, munida de um dispositivo eletrónico que recolhe vários dados importantes enquanto os surfistas surfam, como os níveis de ph, a salinidade, a temperatura, o local, caraterísticas das ondas e outros detalhes que são super importantes uma vez que reportam diretamente as alterações climáticas que ocorrem no momento. 

  

O processo é simples. Os dados são recolhidos a partir das quilhas instaladas numa prancha de surf (que no seu circuito têm GPS, um chip Bluetooth, bateria recarregável e vários sensores) e enviados diretamente para um telemóvel (através de uma app) que por sua vez reenvia toda a informação para um conjunto de servidores que a processa e atualiza, pondo os dados acessíveis a toda a comunidade científica internacional. 

 

O investigador Renaud Joannes-Boyau, da Universidade Southern Cross e também surfista, refere que a constante monitorização do oceano ajuda particularmente os cientistas que tratam as questões das mudanças climáticas. 

 

A Smartfin foi desenhada pelo engenheiro Phil Bresnahan e o bioquímico Tyler Cyronak do Instituto Oceanográfico de Scripps da Universidade de San Diego, encontrando-se a serem testadas por cerca de cinquenta surfistas de diferentes praias da Califórnia desde maio de 2017. O próximo passo visa as costas do sul de Queensland e do norte da Nova Gália do Sul, na Austrália, onde o objetivo é definir um padrão de sensores relativamente à temperatura. 

 

“O plano é alertar os entusiastas australianos quer para o surf como as questões ambientais criando uma atitude positiva e saudável em torno das alterações climáticas. Nós queremos que os surfistas surfem pela ciência”, disse o Dr. Joannes-Boyau. 

 

Uma forma fácil de os surfistas ajudarem os cientistas a saberem mais sobre os Oceanos. Smartfin é um projeto não lucrativo, sem qualquer custo para os surfistas que procura apenas fornecer mais dados aos cientistas. 

 

Perfil em destaque

Scroll To Top