Itens relacionados

terça, 26 fevereiro 2019 18:41

JOANA DIOGO - DOUTORADA E ATIRADA

O perfil desta semana vem do Porto e chama-se Joana Xavier Diogo.

Após a entrada desta grande ondulação na costa Oeste de Portugal Continental e quando cruzava-mos a praia dos Pescadores em Espinho (vulgo Cagas), depara-mo-nos logo de manhã cedo apenas com duas pessoas na água. As ondas estavam muito grandes, e uma dessas pessoas era a "Joaninha", que decidimos entrevistar para o perfil da semana. Mas antes Joana conta-nos sobre estas ultimas sessões nas ondas de Espinho:

Joana conta-nos como têm sido as últimas sessões na Praia dos Pescadores "Cagas"?


As última sessões nos Cagas, utilizando o termo certo, têm sido de gala! As ondas têm estado perfeitas e vêm acompanhadas de amanheceres de cortar a respiração.
Neste desporto, e no meu caso em concreto, podemos aplicar a expressão “quem corre por gosto não cansa”. 
Às vezes é difícil chegar à praia de noite, estarem -2, 0 ou 1 grau Cº lá fora, e despir a roupa para vestir o fato!!!! Mas o foco está nas linhas que vislumbraste no rápido instante em que paraste para ver o mar.
 Quando chegas lá dentro ou estás sozinha, ou com duas a cinco pessoas... e inauguras o dia da melhor maneira possível, apanhas a primeira onda em direcção ao amanhecer onde as cores dão vida aquelas linhas perfeitas que vão de ponta a ponta da praia, é indescritível!

E esta última em particular durante o domingo de manhã?



Este Domingo foi, felizmente, como muitos outros: cheguei à praia e não estava ninguém... o mar com tamanho, liso, o vento de leste a querer entrar, muita energia no mar até que... entrou um set perfeito

A meu favor tinha o facto da maré cheia ter sido meia hora antes pois quanto menos água tivesse mais complicado seria de a onda se aguentar. 
Nesse momento nem quis ver mais nada!! Foi ação vs. reação! Qualquer coisa idêntica à velocidade da luz, pois num ápice já estava dentro de água.
Não digo que tenha sido aquela surfada, mas é sempre a surfada... aprendi, superei-me, alinhei a mente, e saí com a sensação de que valeu a pena!! Acabei com aquela humildade que só o contacto com a imensidão do mar nos dá... como sempre, aliás... (risos)! E com aquela leveza no espírito...
Vim embora feliz por perceber que ou tinha entrado naquele timing ou não teria valido tanto a pena. Então voltamos lá atrás aquela frase “não deixes para amanhã o que podes fazer hoje”.

 

VAMOS FICAR A CONHECER MELHOR A JOANA COM A ENTREVISTA DO PERFIL DA SEMANA:

Nome: 
Joana Xavier Diogo



Idade: 
34

 anos.

Praia local:?

É difícil indicar que tenho alguma praia habitual para surfar, mas sim, tenho preferências: 
- Adoro a Baía de Espinho e a praia dos pescadores (cagas) principalmente no Inverno porque tem ondas perfeitas, compridas e com bastante energia.
- A praia mais bonita, e com a qual mais me identifico, é sem dúvida a Maceda em Esmoriz porque existe nela uma simbiose perfeita entre a imensidão do pinhal, o areal e a qualidade das ondas.

Estudos:
Doutoramento em Arquitectura.

Anos de surf:
 8

 anos.

Quiver:
Alka 5,10 / 
Al Merrick  5,11 /  
Org 6,1



Porque escolheste praticar surf:
Desde sempre senti que existia algo na água que me era atrativo e me seduzia. Fui, sou e serei uma eterna apaixonada pela praia e pelo mar.
Um dia a pessoa menos provável, a minha irmã, depois de tanto me ouvir dizer que queria experimentar surf levou-me a uma aula. 
Deu-se o chocapic :)
Logo percebi que estava ali a minha cara metade! Que apesar de todas as dificuldades sentia-me completamente atraída e motivada para desenvolver a sua pratica. Ainda hoje mantenho o sentimento dos primeiros dias... livre, hipnotizada e a viver constantemente num cenário saído do National Geografic.
Não existe nada que me preencha mais que acordar cedo, pegar no fato e na prancha, ir a ouvir música até à praia e ao chegar... ver aquelas linhas perfeitas. 
Aliado a tudo isto ainda tenho o privilégio de ver os diferentes amanheceres, de ver centenas de arco íris, de ouvir a força da natureza, de sentir a química da onda e simplesmente de estar.

*Joana a surfar uma das suas ondas preferidas. Os Cagas em Espinho

 

Última surfada memorável:?

Quando penso sobre isto fico logo com um enorme sorriso na cara.
Tenho várias que me fizeram sair da água com as pernas a tremer e uma enorme adrenalina no corpo, onde a única vontade que existia era correr novamente para dentro de água e voltar a superar os meus limites.
Mas se for a pensar num episódio recente, recuamos sensivelmente 2 semanas, a um dia em que estava um mar épico na Baía de Espinho, onde todas as ondas eram perfeitas.
O melhor de tudo foi o factor surpresa! Eu não estava à espera de nada daquilo e resultou num daqueles dias em que a prancha é a extensão do nosso corpo e tudo flui de forma perfeita. 
Estes dias fazem-me sentir imensamente preenchida, grata pela oportunidade de o conseguir fazer antes de trabalhar e em paz comigo e com tudo o que me rodeia. 



Maior susto?


Já me vi em situações delicadas, mas verdade seja dita, nunca tive aquele susto.
Acho que a minha forma de pensar também faz com que encare as situações mais adversas com bastante calma. 

Acreditem ou não, faz toda a diferença percebermos que somos um ponto no oceano e que o nosso pior inimigo somos nós próprios, então, os meus pensamentos quando estou dentro de água são:
- não vale a pena stressar porque tenho o dia todo para sair daqui;
- se estou a rebolar nas ondas, deixo-me ir;
- se vou na corrente, não luto contra ela;
- se entrei numa praia e for sair quatro ao lado, o pior que te pode acontecer é ter uma longa caminhada pela frente.
Neste seguimento já tive peripécias sim, mas sustos não. 

Última

Viagem de sonho:
Maldivas



Competição ou free surf:
Free surf



A tua frase favorita? 
Entre muitas “ não deixes para amanhã o que podes fazer hoje"


O melhor conselho que já recebeste:?

Tive dois momentos muito fortes:
o primeiro foi pouco depois de ter começado a surfar. Estava a remar para uma onda grande após já ter saído de umas dez. Alguém me berrou ao longe “Joana, lá em baixo é só água”; Perdi o medo e avancei.
A segunda, já numa fase bastante avançada, foi “o que é preciso é cadência”.
Tanto numa como noutra situação existiu um input para que tudo me fizesse sentido e eu conseguisse evoluir.

*"Over head"  size nos Cagas

 



Se fosses um animal qual serias e porquê?


Se eu fosse um animal seria definitivamente um pássaro e daqueles bem coloridos. É um animal com várias valências: tanto está em terra como está no ar... Poderia planar na crista das ondas, voar para onde o vento me levasse e ver o mundo da perspectiva que quisesse. Existirá alguma coisa melhor que nos sentirmos livres e com o mundo aos nossos pés, onde tudo é possível e tudo tem viabilidade?!!!



Como está o surf actualmente?


Dizer que o surf faz oficialmente parte dos jogos olímpicos de Tokio para o ano 2020 já diz muito do crescimento desta modalidade. Se analisarmos cada vez existem mais atletas com um nível de surf superior aquele que era considerada a média há uns anos atrás. 



Qual a tua inspiração Nacional e Internacional?
A nível nacional é o Frederico Morais; já internacionalmente é a Laura Enever, o Gabriel Medina, o Filipe Toledo, o Mick Fenning, entre outros.



Se não fosses surfista o que serias?
Seria... surfista :)



Mensagem a deixar:
A única coisa que realmente me faz sentido é que cada um de nós deve tentar descobrir o que realmente o preenche. Somos todos diferentes, mas num ponto todos iguais: a vida é só uma e é mesmo para ser vivida! Sinceramente penso que temos que fazer com que o tempo que temos disponível para nós próprios seja aproveitado ao máximo, para que tudo o resto corra bem e valha a pena.

Perfil em destaque

vimeo

 

 

Scroll To Top