Itens relacionados

quarta-feira, 05 agosto 2020 10:48

SOBREVIVENTE DE ATAQUE DE TUBARÃO USA TREINO DE SURF PARA FAZER A DIFERENÇA

nas águas geladas da Noruega...

 

 

Duas décadas atrás, a vida de Shannon Ainslie teve uma reviravolta dramática que lhe poderia ter custar tudo, mas se tornou uma bênção disfarçada.

Enquanto surfava em casa em Nahoon Beach, na África do Sul, Shannon foi atacado por não um, mas dois grandes tubarões brancos. Com a mão cerrada na mandíbula de um tubarão, Shannon conseguiu escapar - sobrevivendo a uma experiência que lhe ensinaria lições de uma vida.

Shannon emergiu do seu ataque de tubarão ansioso por ter um impacto positivo no mundo e fazer a diferença. Descobriu uma forma de criar um impacto duradouro através do treino de surf - iniciando a sua própria escola na África do Sul e, eventualmente, subindo para o norte, para o Círculo Polar Ártico, para treinar surfistas e treinadores nas águas geladas da Noruega.

 

Agora, Shannon treina a próxima geração de treinadores e atletas de surf, abrindo o seu tesouro de conhecimento para os seus alunos.

 

Conhece melhor Shannon Ainslie nesta entrevista da ISA ao treinador sul-africano.

 

Conta-nos sobre a tua jornada para te tornares um treinador de surf. O que te entusiasma em ensinar os outros a surfar?

 

Desde o meu ataque de tubarão duplo, eu queria me envolver mais com o surf para usá-lo como uma plataforma não apenas para ensinar a surfar, mas para ensinar sobre a vida às pessoas. Isso ajudou-me a percorrer estradas com pessoas incríveis e também me deu a oportunidade de ajudar outras pessoas através do surf.

Quando me mudei para Jeffreys Bay, aos 19 anos, entrei para uma escola bíblica de surfistas dirigida por Des Sawyer. Ele ajudou-me a começar uma escola de surf e, no processo, ajudei a treinar o seu filho por muitos anos, que se tornou surfista profissional e campeão mundial de Longboard da WSL (Steven Sawyer). Acabei treinando muitos jovens que se tornaram realmente bons e representam a África do Sul (também um representante da Holanda e outro da Alemanha) em vários campeonatos mundiais da ISA.

 

Qual é a tua filosofia principal em relação ao treino de surf?

 

Ter paciência é super importante como atleta ou treinador. O oceano e as ondas estão a mudar constantemente e cada surfista aprenderá coisas diferentes e aprenderá de maneiras diferentes. Eu digo aos surfistas que uma das duas coisas acontecerá no surf. Ou a onda irá conquistá-los e, às vezes, pode ser frustrante ou eles podem conquistar as ondas. Quando eles conquistam as ondas e surfam ou surfam bem, dá a sensação gratificante de que conquistaram algo e isso dá confiança e entusiasmo, que é o que todos os surfistas querem sentir. Isso requer preparação e paciência, e é importante entender isso.

 

 

 

Shannon e os seus alunos numa das suas aulas de surf Foto: ISA

 

 

 

Agora que moras e treinas no norte da Noruega em Lofoten Surfsenter, como tem sido a experiência como surfista no Círculo Polar Ártico?

 

Sim. Estou a trabalhar no Lofoten Surfsenter, uma escola de surf registada no ISA, e também iniciamos acampamentos em diferentes destinos chamados Go Surf. O Lofoten Surfsenter também não é apenas uma escola de surf. Como treinador de surf da equipa nacional, também trabalhamos no desenvolvimento de surf com juniores e realizamos campos de treino de alto desempenho com a equipa. É realmente divertido!

A melhor coisa é que viver e surfar acima do Círculo Polar Ártico é incrível. Os invernos ficam extremamente frios e brutais, mas isso traz grandes ondas. A maioria das pessoas sai durante o inverno, mas quem fica aqui é como os vikings (haha), porque precisas suportar os elementos. Felizmente, com uma boa tecnologia de fatos de surf, podes manter-te quente na água, mas muitos mergulhos ou bicos de pato causam as piores dores de cabeça que possas imaginar. E tenho certeza que sabes que o inverno também é bastante escuro. Não vês o sol por cerca de dois meses, mas pelo menos as northern lights mantêm-te entretido!

 

Como é que as condições de vida numa latitude tão extrema afetam a tua abordagem ao treino de surf, se é que afetam?

 

Não é tão mau no verão, porque há 24 horas de luz e pode ser quente, mas o outono, inverno e primavera são muito mais frios. Quando estou a dar aulas a iniciantes, só preciso garantir que continuo a mover-me para me aquecer. Os meus alunos estão sempre quentes porque nos aquecemos bem e eu mantenho-os ativos na água.

Quando estou a treinar e a filmar na praia, visto-me como se estivesse a ir para o Pólo Norte e trago sempre roupas extra porque pode chover, cair granizo e neve enquanto estiver em pé na praia. Mas não mudo a minha abordagem na maneira como treino. Nós fazemos alguma teoria e todo o treino em vídeo no Surfsenter, mas o treino na praia permanece o mesmo. Temos sessões de treino um pouco mais longas do que a maioria das pessoas, mas dividimos cada sessão em estágios diferentes para que os surfistas entrem na praia e voltem à água várias vezes durante a sessão para obter feedback e praticar o que foi discutido.

 

As águas geladas no Círculo Polar Ártico. Foto: ISA

 

 

Tendo sobrevivido a um angustiante ataque de tubarão duplo na África do Sul, como é que essa experiência moldou a tua vida e a pessoa que és hoje?

 

Bem, uma coisa é certa, sou muito mais grato pela vida e isso mantém-me feliz, suponho. Também me lembro do meu ataque todos os dias porque as pessoas me perguntam constantemente sobre isso e isso também abre portas para eu compartilhar como me ensinou a superar outros problemas pessoais na minha vida. Lembro-me com frequência quando estou perante certos desafios que já superei um ataque duplo de tubarão e muito mais. Isso ajuda-me a ultrapassar todas as circunstâncias.

Tenho a certeza de que estas conversas despertam pensamentos nas pessoas e as fazem pensar em superar certos problemas nas suas próprias vidas. Lembram-as de serem gratas pela vida que têm.

 

Se pudesses apontar uma dica importante de treino para um surfista iniciante, qual seria?

 

Existem tantas ... mas eu diria que, para um iniciante, é apanhar o maior número possível de ondas. Aprendemos fazendo e frequentemente os surfistas iniciantes apanham uma onda a cada 15 a 20 minutos, o que numa sessão de 2 horas é apenas 8 a 10 ondas. Se surfares cada onda por 10 segundos (o que é muito para alguns iniciantes), são 80 a 100 segundos de surf que realmente praticaste. Imagina ires a um treino de futebol e treinares apenas por 80 a 100 segundos ... não haverá muitas melhorias. Sim, o surf é muito diferente, porque precisamos remar e fazer bicos de pato, mas se os iniciantes poderem apanhar mais ondas e evitar ficar sentados e esperar por muito tempo, isso ajudará muito.

 

 

Perfil em destaque

vimeo

 

 

Scroll To Top