Joe Turpel desfruta ao máximo de algumas das melhores ondas que existem no Mundo. Click por Kelly Cestari. Joe Turpel desfruta ao máximo de algumas das melhores ondas que existem no Mundo. Click por Kelly Cestari.

Itens relacionados

sábado, 27 junho 2020 16:58

Os elementos que melhor identificam a cultura do surf são as diversas gerações que existem num dado local -"JOE TURPEL"

O famoso comentador da World Surf League fala em exclusivo sobre o estado actual da Cultura do Surf...

 

Com a massificação da arte de deslizar nas ondas em cima de uma prancha tem-se vindo a verificar uma tendência para aligeirar o seu conceito, tornando o surf em apenas um desporto, coisa que o surf não é só.

A imprensa especializada e os principais agentes do surf têm aqui um papel fundamental na preservação e divulgação da história e cultura do surf, passando-a com eficácia de geração em geração, por forma a manter as bases sólidas de uma pirâmide que representa em todo o mundo mais de 30 milhões de praticantes e uma Indústria em crescimento.

A Surftotal tem estado à conversa com as mais diversas personalidades da história do surf nacional e internacional que nos têm vindo a deixar o seu testemunho e opinião sobre a situação actual da história e cultura do surf.

 

Tem a palavra Joe Turpel, comentador Hawaiano da World Surf League.

Joe Turpel de 39 anos de idade, começou a surfar na costa sul de Oahu, Havaí. O seu pai, nadador salvador na altura, surfista e marinheiro começou a empurrar Joe e a sua irmã nas ondas aos fins de semana. Quando Joe fez 13 anos, mudou-se com a sua família para Laguna Niguel, Califórnia e aí Joe estudou até terminar os seus estudos na Universidade de Santa Bárbara(em artes dramáticas e comunicação).

 

 

 

______________________________________________________________

 

"Preservar a cultura do surf é importante.

 

Lembrar e honrar conquistas, viagens e outros empreendimentos do passado

 

conecta a alma do passado com o presente do surf..."

 

______________________________________________________________

 

 

 

 

 

 

Surftotal: A cultura do surf tornou-se um alicerce sobre o qual o surf como desporto e estilo de vida se baseou. A sua importância em preservar o culto, assim como o mercado, tem sido evidente. Estás de acordo com esta afirmação?

Joe Turpel: Concordo. Preservar a cultura do surf é importante. Lembrar e honrar conquistas, viagens e outros empreendimentos do passado conecta a alma do passado com o presente do surf.

 

Surftotal: Tens viajado por todo o Globo para comentar os eventos do World Tour da WSL. De que forma essa circunstância mudou a tua opinião sobre o surf? “Podemos dizer que o surf já é um desporto global”

Joe Turpel: Viajar e surfar foi o maior presente da minha vida no meio do surf. Tive a sorte de conhecer a cultura global do surf em todo o mundo. Todos os locais com cultura de surf ao redor do mundo tem uma personalidade única que muitas vezes modelam o ambiente e o tipo de ondas que ali existem. Muitos desportos tradicionais são apenas populares no seu próprio país onde estão sediados. Mas o surf é global e tens esse sentimento global de família e conexão com as ondas que não se pode comparar com mais nada.

 

 

 

_________________________________________________________________

 

"O surf é global e tens esse sentimento global de família

 

e conexão com as ondas que não se pode comparar com mais nada..."

 

__________________________________________________________________

 

 

 

 

 


Surftotal:  Agora, sobre o tema principal desta entrevista, a cultura do surf, cresce-te no Havaí, o lugar onde o “surf nasceu” e se espalhou pelo mundo. Na tua opinião, o Havaí ainda é a principal influência na disseminação da cultura do surf pelo mundo? Por quê? Ou porque não?

Joe Turpel: As primeiras ondas da minha vida foram em Waikiki com meu pai e irmã e foi de facto especial. É tão especial porque foi aí que tudo começou. Os jovens havaianos da praia ainda ensinam pessoas de todo o mundo a surfar. O Duke tem lá uma estátua e ele é a figura do surf global mais importante da história, porque partilhou o passado do Havaí com o mundo. Nesse sentido, a cultura havaiana de surf foi partilhada com o mundo e todas as regiões e depois disso formaram-se realidades próprias. Acho que o Havaí representa o começo e o impacto mais poderoso na cultura do surf. Agora, é também incrível ver a cultura de surf por exemplo em Israel e na Noruega que têm as suas influências locais que acabam por contribuir para a cultura do surf. O Havaí é o ponto de partida e a Meca do surf e é lindo ver como novos lugares contribuem para uma cultura de surf global.

 

 

Surftotal: Quais são na sua opinião o ou os elementos que identificam que um país ou um lugar possui uma forte cultura de surf?

Joe Turpel: Muitas vezes, os melhores elementos que identificam a cultura do surf são zonas com diversas gerações de surfistas. A faixa etária mais velha a do meio e os jovens. Quando és um grom, admiras muito os mais velhos. Nesse sentido o modo como a cultura é transmitida é muitíssimo importante para todas as gerações.

 

 

 

____________________________________________________________

 

"Eu já vi óptimos exemplos de grandes empresas

 

a assumir marcas de surf e o mundo do surf viu benefícios incríveis..."

 

_____________________________________________________________

 

 

 

 

 

Joe Turpel no Surf Ranch - click por Kelly Cestari.

 

 

Surftotal: Uma situação que nos preocupa na indústria do surf são todas as mudanças que acontecem quando vemos grandes empresas multinacionais adquirindo as principais marcas de surf. Achas que a essência e o valor das marcas de surf podem ser perdidos quando geridos por pessoas fora do surf?

Joe Turpel: Julgo que pode haver sempre um risco na venda de qualquer marca. Não é necessário ser uma grande empresa. Apenas ao mudar de propriedade a qualquer nível, e aí pode haver um medo de uma marca perder a sua identidade ou autenticidade. Eu já vi óptimos exemplos de grandes empresas a assumir marcas de surf e o mundo do surf viu benefícios incríveis. A Nike e a Hurley são um ótimo exemplo. Depois da venda ter acontecido no início dos anos 2000, assistimos aos eventos da Hurley a levarem as competições para um patamar totalmente novo. Eles tinham a melhor equipa de surf do mundo e deram a esses surfistas o tratamento que mereciam como sendo os melhores atletas de surf do mundo. Eles tinham uma sólida base financeira e mantiveram surfistas e pessoas autênticas do meio do surf no comando, que acabaram por contribuir de uma forma massiva para o nosso desporto. Portanto, não acho que se deva existir esse receio pois as pessoas certas acabam por estar ainda envolvidas.

 

Surftotal: Qual é a sua interpretação da queda nas vendas das principais marcas de surf em todo o mundo (falando sobre roupas de surf)? (Pré covid19 obviamente).  O que pode ser uma solução para mudar essa tendência?

Joe Turpel:  É duro ver quando assistes à luta das pessoas que estão à frente das marcas ainda para mais quando essas Marcas e pessoas nos são tão próximas. Acabamos por estar todos juntos neste processo e sei que há uma forte vontade de nos apoiarmos todos uns aos outros por forma a que a Industria se recomponha novamente.

Eu acredito e antecipo aqui que todo o retalho da Industria do Surf celebrará tempos como nunca antes vistos em breve. Quando conseguirmos estar de novo todos juntos vermos estreias de filmes de surf e conviver. O mundo do surf renascerá, celebrará e apreciará também porque somos como um todo.

 

 

______________________________________________________________

 

"antecipo aqui que todo o retalho da Industria do Surf

 

celebrará tempos como nunca antes vistos em breve...."

 

_______________________________________________________________

 

 

 

 

Surftotal: Qual a tua opinião sobre a mídia de surf hoje em dia (toda a gente procura ter a sua própria “mídia” - com o poder das redes sociais). Como vês as referências dos mídia de surf em todo o mundo, como a Surfer ou Surfline ou outros mídias da especialidade nos respectivos países? Acha que existe um "perigo" do surf perder suas referências?

Joe Turpel: Gosto do facto de que qualquer pessoa e todos possam ter voz nos dias de hoje. Podes iniciar uma conta no instagram e teres uma plataforma para criares conteúdo da maneira que desejares. Eu acho óptimo que as pessoas possam ser ouvidas. Vivemos na era em que os conteúdos não têm fim, nunca são suficientes. Um surfista lança um clip que todos assistimos e que na semana seguinte já está fora de prazo. Com uma alta demanda por conteúdo, faz sentido que haja muitas fontes. Tudo o que tens que fazer é encontrar e ligar-te àqueles com que te sentes conectado e esconder-te daqueles que não te sentes conectado.

 


Surftotal: Um livro ou livros que consideras uma verdadeira Bíblia de surf?


Joe Turpel: Óptima pergunta ... ainda não tenho certeza de ter encontrado esse livro.

 

 

 

 

_________________________________________________________

 

"Portugal é neste momento um belo destino

 

e um spotlight do surf mundial..."

 

_________________________________________________________

 

 

 

 




Surftotal:Sabemos que você tens uma ótima conexão com Portugal, como vês o periodo pelo qual o surf em Portugal está a passar? Alguma comparação? O que mais admiras na cena do surf português?

Joe Turpel: Portugal é neste momento um belo destino e um spotlight do surf mundial. Ali há o local de ondas grandes mais consistente e mais assustador do mundo, há boas infraestruturas para treinos e eventos de surf, uma cena incrível do surf em Lisboa, juntamente com algumas das ondas mais amigáveis para surfistas iniciantes do mundo. Há algo para todos os gostos. Poucos locais podem dizer isso. Mesmo o surf existindo Portugal há bastante tempo, existe muita energia saudável ao seu redor agora. Adoro as ondas e a facilidade que existe em entrar no carro e ainda conseguir surfar sozinho. Sou também um admirador da paixão dos surfistas e fãs do surf Portugueses. Criou-se uma atmosfera incrível quando estamos lá para o evento WCT. Tenho muita sorte de ter amigos em Portugal e gosto de aprender sobre a cultura local quando chego. Para ser sincero, eu poderia viver em Portugal. Talvez um dia..

 

Perfil em destaque

vimeo

 

 

Scroll To Top