Gabriel Medina Gabriel Medina Matt Dunbar sexta-feira, 03 junho 2022 10:40

Gabriel Medina imparável na terceira ronda do Quiksilver Pro G-Land e Florence eliminado

Já se conhecem os atletas que avançaram para os quartos-de-final

 

O terceiro dia do Quiksilver/Roxy Pro G-Land, a sexta etapa do Tour e primeira após o mid-season cut, foi dedicada às eliminatórias masculinas bem como aos oitavos-de-final masculinos. A prova decorreu com heats atípicos de 45 minutos e baterias em simultâneo.

 

Gabriel Medina X Kolohe Andino: continuação do retorno de sucesso

Gabriel Medina esteve afastado das 5 primeiras etapas da temporada de 2022, por motivos pessoais, num ano atípico em que só a classificação dava acesso às restantes 5 etapas. O tri-campeão mundial, depois de ter falhado as provas não ia com segurança garantir uma vaga pelo que a decisão ficou na mão da WSL, que lhe ofereceu o wildcard disponível para competir na outra metade do ano competitivo. Os olhos estavam postos em cima de si, afinal de contas, G-Land ditava o regresso tão esperado por muitos dos seus fãs de o verem brilhar de lycra vestida. Medina começou por passar o teste na ronda inaugural, deixando para trás Samuel Pupo e Callum Robson e saltanto imediatamente a ronda eliminatória. Esta sexta-feira, se o público ainda não estava convencido de que o brasileiro tinha regressado com tudo, este deu motivos para tal.

Medina enfrentou Kolohe Andino no segundo heat dos oitavos-de-final. O brasileiro apanhou inúmeras ondas para assegurar o seu posicionamento na liderança mas Andino roubou-lhe o lugar a 6 minutos do fim, com somente duas ondas que tinha feito, uma de 5.77 pontos e outra de 4.90 pontos, por contraste às 9 ondas que Gabriel já tinha surfado. Mas se os fãs temeram a partir desse momento o destido do heat, o bi-campeão mundial acalmou o ânimos aos fãs que o assistiam quando virou por completo a bateria com as duas últimas ondas, a primeira avaliada em 7.17 pontos e a segunda, restando 6 minutos para o som da buzina de 7.50 pontos.

 

 
Jonh Jonh Florence X Jadson André:

Por décimas e nos últimos suspiros do heat, Jonh Jonh Florence foi eliminado pelo brasileiro Jadson André. O número dois do ranking mundial, Florence, manteve-se em primeiro ao longo da bateria com um 5 pontos e um 4.37 pontos, exibindo o seu surf fluído. Mas o brasileiro Jadson André soltou o aéreo na última onda que lhe valeu um 4.70 pontos e foi somar-se ao 4.83 pontos que já havia adquirido, protagonizando uma reviravolta e avançando para os quartos-de-final.

 

 

Griffin Colapinto X Miguel Pupo:

Mas se em cima da mesa estão heats renhidos ou baterias com scores elevados, chama-se para a conversa o confronto entre Griffin Colapinto e Miguel Pupo. Embora Colapinto, tenha permanecido enquanto líder ao longo da bateria, Pupo não parecia tentado a facilitar a vida ao adversário. Próximo do fim, o brasileiro ainda abraçou um 7.50 pontos para juntar ao backup de 6.17 pontos mas o norte-americano respondeu-lhe com um score final de 14.17 pontos (7 + 7.17) e despediu-se rumo à próxima ronda.



Griffin Colapinto | Créditos de imagem: Ed Sloane/WSL

Italo Ferreira X Connor O'Leary

Italo Ferreira não estará nos quartos-de-final após ver as portas fechadas por Connnor O’Leary. O australiano O’Leary assumiu a liderança e abdicou dela. Espremeu as ondas e começou por meter na conta um 4.83 pontos ao qual somou um 5.10 pontos finais para sustentar o seu lugar. Por outro lado, Italo Ferreira apresentou-se com um ritmo lento e a cometer erros quer de finalização, quer nos aéreos, algo pouco característico atendendo ao seu histórico competitivo. A 3 minutos do fim o brasileiro necessitava de 6.26 pontos para avançar mas só conseguiu reduzir a margem de distância após conseguir um 4.23, acabando por ser eliminado com um score final de 7.90 pontos.

 




Matthew McGillivray X Ethan Ewing

Matthew McGillivray foi destaque com a melhor onda do dia, avaliada em 8.17 pontos alcançada na reta final mas mesmo antes disso já tinha deixado o adversário Ethan Ewing entre a espada e a parede após concluir um 6.33 e um 6.17 pontos enquanto o australiano tinha duas ondas na casa dos 4 pontos. 81% do público estava convicto de que a vitória estaria do lado de Ethan mas McGilivray trocou-lhes as voltas e foi com um score final de 14.50 pontos que eliminou 4º colocado no ranking mundial, Ethan Ewing que obteve 8.87 pontos totais.

 

Matthew McGillivray | Créditos de imagem: Ed Sloane/WSL

Filipe Toledo X Rio Waida

Depois do wildcard local Rio Waida lançar na ronda de abertura o brasileiro Filipe Toledo às repescagens, ronda na qual o atual líder do ranking mundial sobreviveu, voltaram a encontrar-se nos oitavos-de-final e Toledo exigiu a desforra. Ambos começaram com notas tímidas mas o brasileiro não ia tornar aquela bateria num déjà vu e foi com um 5.33 e um 5.90 pontos que eliminou Waida. O atleta da Indonésia ainda tentou reverter a situação com as duas últimas ondas de 4.67 pontos e 3.90 pontos mas foi sem sucesso.

Ainda assim, em entrevista no pós heat, Rio expressou a satisfação por estar a competir entre os melhores do mundo e sublinhou as aprendizagens adquiridas. “Espero no próximo ano poder juntar-me a eles”, disse. E os desejos podem vir a tornar-se realidade se mantiver o mesmo percurso nos Challenger Series. Recorde-se que Waida foi o vencedor do Sydney Surf Pro, a última etapa dos Challenger Series, resultado que o colocou em 2º lugar no ranking. “Só quero ir para casa e fazer reset. A próxima etapa [dos Challenger] será na África do Sul e ainda tenho um mês para me preparar. Estarei pronto com certeza”, rematou.

 

 

Jack Robinson X Jack Marshall

O heat de Jack Robinson contra Jack Marshall foi lento e com poucas ondas surfadas mas a diferença considerável de scores entre um e outro justificava a vitória de Robinson. O australiano conquistou um 6 pontos e posteriormente um backup de 5.17 pontos, ao passo que o norte-americano concluiu o heat com 2.23 pontos de score final.


Kanoa Igarashi X Samuel Pupo

No heat que se seguiu, Igarashi procurou intimidar o rookie Samuel Pupo com um 7 pontos ao qual lhe somou uma nota na casa dos 5 pontos. O brasileiro tentou resistir atirando um 3.50 pontos seguido de um 4.67 pontos mas de nada lhe valeram e acabou por ser eliminado.

O Quiksilver/Roxy Pro G-Land tem janela aberta de 28 de maio a 6 de junho. O próximo call está agendado para amanhã, dia 4 de junho, durante a madrugada portuguesa.

Itens relacionados

Scroll To Top