Yago Dora Yago Dora WSL / TONY D'ANDREA domingo, 10 abril 2022 13:41

Yago Dora de volta à água

Anuncia-se um regresso à competição do circuito mundial?

 

A recuperação de Yago Dora, após ter fraturado o tornozelo aquando da aterragem de um aéreo, no final de dezembro de 2021, tem dado passos largos recentemente. Aquilo que para ele possa ter parecido uma eternidade, já que lhe era exigido que ficasse fora de água, tem os dias contados e já está noutro nível de melhorias. Dia 17 de março, Yago Dora, que esteve durante 3 meses com os movimentos da perna esquerda limitados, mostrou-se a dar os primeiros passos e eis que para grande satisfação dos seus fãs, partilhou na última sexta-feira, dia 8 de abril, um vídeo na sua página de Instagram onde aparece a surfar.

A pouca massa muscular, resultante dos meses que passou com um equipamento de estabilização, tem vindo a ser ganha gradualmente com fisioterapia e, agora, treinos dentro de água. Sem a velocidade a nos habituou e sem os áreos 360º que efetua com facilidade mantém a mesma fluidez de manobras.

“Dois dias de surf e já está no rip [no auge da performance] de novo”, escreveu-lhe Michael Rodrigues. A si juntaram-se tantos outros atletas e amigos que expressaram igualmente contentamento por ver que o 9º classificado no ranking mundial na temporada passada poderá estar de volta em breve.

 

 

 

O futuro competitivo de Yago Dora:

A pergunta que paira no ar é quando é que Yago Dora retorna à competição mundial, num ano atípico em que há a divisão da elite, sendo que uma parte (os 22 primeiros homens do ranking e as 10 primeiras mulheres) avança para a outra metade das etapas e os restantes ficam de fora. O mid-sesson cut acontecerá logo após a etapa de Margaret River que acontece de 24 de abril a 4 de maio.

À partida já se sabe que o brasileiro não fará parte desses 22 primeiros atletas, no entanto, se se sentir pronto para competir na etapa do Quiksilver Pro G-Land, na Indonésia, entre 28 de maio e 6 de junho, a sua participação ficará à mercê do poder decisivo da WSL que tem na mão dois wildcards para oferecer em cada uma das últimas cinco etapas do Tour.

Por outro lado, a WSL tem também dois wildcards para atribuir para a temporada de 2023, aqueles que são habitualmente atribuídos a atletas que não se conseguiram qualificar por causa de lesões ou para atletas de renome que por pouco não se qualificaram. Neste sentido, Yago Dora poderá conseguir uma vaga no CT 2023.

Também lesionado encontra-se o costa-riquenho Carlos Muñoz, após a etapa de Pipeline, e o australiano Liam O'Brien, que não chegou a competir nenhuma etapa do circuito mundial. Gabriel Medina, por opção própria, não compareceu a nenhum evento.

 

Créditos de imagem: WSL / TONY D'ANDREA

Itens relacionados

Scroll To Top