quarta-feira, 15 setembro 2021 08:06

Carissa Moore e Gabriel Medina são os campeões mundiais de 2021

Filipe Toledo e Tatiana Weston-Webb são vice-campeões...
 
 
 
Carissa Moore derrotou Tatiana Weston-Webb e Gabriel Medina derrotou Filipe Toledo
 

Carissa Moore (HAW) e Gabriel Medina (BRA) são os campeões mundiais de 2021 depois de derrotarem Tatiana Weston-Webb (BRA) e Filipe Toledo (BRA) nos seus respetivos Title Matches na Rip Curl WSL Finals. Este foi um dia estimulante de surf em que pela primeira vez na história do Championship Tour (CT), homens e mulheres competiram no mesmo local neste evento de um dia onde os vencedores levariam os títulos mundiais de 2021.

O dia em que os títulos mundiais masculino e feminino de surf seriam decididos arrancou com condições de ondas de excelência em Lower Trestles na Califórnia com swell sul de seis a oito pés.
Gabriel Medina e Carissa Moore entraram Na Rip Curl WSL Finals como líderes do ranking masculino e feminino o que lhes deu a vantagem de uma entrada direta para o Title Match, uma disputa de melhor de três onde o primeiro surfista a vencer dois dos três heats torna-se o campeão mundial de 2021.
 
 
 
O lineup. Foto:WSL/Nolan
 
 
 
 
Gabriel Medina venceu Filipe Toledo no Title Match 
 
Gabriel Medina disputou a finalíssima com o seu compatriota Filipe Toledo. Apesar de ser uma disputa à melhor de três, ou seja poderiam ter de haver três heats para apurar o vencedor, foi no segundo heat dessa mesma disputa que Medina levou de vencido Filipe Toledo pela segunda vez, conquistando assim o seu terceiro título Mundial. Disputaram a final os dois melhores surfistas existentes no Tour e trouxeram muita emoção para todos quantos assistiam às Rip Curl WSL Finals 2021, um modelo que estreou este ano no Championship Tour da World Surf League (WSL).
A vitória de Medina junta-o a surfistas como Tom Curren, Andy Irons e Mick Fanning com três títulos mundiais. 
Com 16 vitórias no Championship Tour (CT) e 29 participações na final, Medina é um dos surfistas mais experientes quando se trata de mostrar o melhor surf sob pressão. Nesta temporada, Medina teve o melhor início de carreira, chegando à Final nas três primeiras provas do circuito masculino do CT. O atleta ganhou uma vantagem significativa sobre os seus adversários quando venceu o Rip Curl Narrabeen Classic e o Rip Curl Rottnest Search, os primeiros eventos que ganhou na Austrália desde o Quiksilver Pro Gold Coast em 2014. 
Desde que ganhou o seu primeiro título mundial em 2014, Medina terminou entre os 5 primeiros a cada ano e conquistou o seu segundo título mundial em 2018.
 
 
 
 
Gabriel Medina. Foto:WSL/Nolan
 
 
 
A declaração de Gabriel Medina:

“Este era meu maior objetivo no surf. Não é todos os dias que realizas o teu sonho. Este é um dia especial para mim, é um dia que vou lembrar para sempre e sobre o qual falarei aos meus filhos. Este ano foi muito intenso e desafiador mentalmente, tive que trabalhar muito, ter paciência e deixar o meu surf falar. Tive de surfar muito para ganhar este título!
 
"Respeito todos os surfistas que estão no tour, as pessoas acham que somos rivais, mas isso só acontece quando estamos na competição, nos heats. Respeito os meus compatriotas e todos os surfistas do tour, todos eles merecem lá estar e merecem o meu inteiro respeito."
 
 
 
Gabriel Medina. Foto:WSL/Nolan
 
 
 
O caminho de Filipe Toledo até à disputa do título com Medina

O rookie Morgan Cibilic (AUS) teve a sua oportunidade de competir pelo título contra Conner Coffin (EUA) no Match 1masculino. Cibilic teve um bom desempenho, mas o power e surf de rail de Conner Coffin deram-lhe a vitória. Coffin avançou para o Match 2 contra Filipe Toledo (BRA), e o brasileiro iniciou a competição a fazer o primeiro aéreo do dia. Com um total combinado de 16,57 (em 20 pontos possíveis), Toledo avançou para o Match 3, onde enfrentou o também brasileiro, medalhista de ouro olímpico e campeão mundial de 2019, Ítalo Ferreira (BRA). Com a esperança de conquistar o seu primeiro título mundial, Toledo chegou ao Match 3 como o "underdog", mas teve um desempenho dinâmico e venceu Ítalo Ferreira.
 
 
 
 
Filipe Toledo. Foto:WSL/Heff
 
 
 
Carissa Moore venceu o seu 5º título mundial 
 
A havaiana Carissa Moore chegou ao evento como campeã mundial, medalhista de ouro olímpica e líder do ranking feminino do CT. A sua vitória ontem em Trestles marca a primeira vez na sua carreira que conquista títulos mundiais consecutivos. Carissa Moore tem sido a surfista mais consistente do Tour nesta temporada e foi a única pessoa a chegar às Semifinais ou melhor em todos os sete eventos. A cinco vezes campeã mundial terminou em terceiro ou melhor em todos os eventos do CT desde o Margaret River Pro 2019 e 2021 marca a décima temporada consecutiva em que venceu mais de 20 heats, a mais longa sequência na história da World Surf League (WSL).  Carissa Moore está atrás do 11 x campeão mundial Kelly Slater (EUA), da 7x campeã mundial Stephanie Gilmore (AUS) e Layne Beachley no livro dos recordes para o maior número de títulos mundiais.
 
 
 
A declaração de Carissa Moore:

“Foi um ano longo e um dia muito longo. Hoje não começou como eu esperava, eu tive que lutar para voltar, por isso a vitória foi um pouco mais doce. Eu estava prestes a ter um colapso após o primeiro heat. Eu dei o meu melhor, surfei com o coração e correu bem. Eu nunca entrei na água quando ganhei um título mundial, então isto é muito especial. Eu não poderia pedir mais nada! "
 
 
 
Carissa Moore. Foto: WSL
 
 

Finalistas deram show de surf em condições sólidas em Trestles

A 7x campeã mundial Stephanie Gilmore (AUS) iniciou a competição na histórica Rip Curl WSL Finals, mas foi derrotada por Johanne Defay (FRA) no Match 1. Johanne Defay avançou para o Match 2, onde foi eliminada por Sally Fitzgibbons (AUS).
 
 
 
A declaração de Johanne Defay:

“Estou muito feliz por estar aqui hoje. Este já é o melhor resultado de toda a minha carreira, então estou apenas focada em surfar Lowers mais uma vez e ver onde o dia vai me levar.”
 
 
 
Johanne Defay. Foto: WSL/Nola
 
 
 
Tatiana Weston-Webb lutou pelo título contra Carissa Moore 
 
Tatiana Weston-Webb (BRA) entrou na disputa pelo título com bastante impulso depois de vencer o Match 3 feminino contra Sally Fitzgibbons. A surfista brasileira venceu o primeiro heat do Title Match contra Carissa Moore, contudo não conseguiu igualar a força da 5x campeã mundial e ficou aquém de conquistar o seu primeiro título mundial, terminando a temporada como vice-campeã.
 
 
Tatiana Weston-Webb. Foto: WSL/Heff
 
 
 
Os resultados femininos da Rip Curl WSL Finals:
 

Match 1: Johanne Defay (FRA) 12.17 derrotou Stephanie Gilmore (AUS) 6.70
Match 2: Sally Fitzgibbons (AUS) 11.33 derrotou Johanne Defay (FRA) 6.66
Match 3: Tatiana Weston-Webb (BRA) 13.17 derrotou Sally Fitzgibbons (AUS) 11.73
Title Match, Heat 1: Tatiana Weston-Webb (BRA) 15.20 derrotou Carissa Moore (HAW) 14.06
Title Match, Heat 2: Carissa Moore (HAW) 17.26 derrotou Tatiana Weston-Webb (BRA) 15.60
Title Match, Heat 3: Carissa Moore (HAW) 16.60 derrotou Tatiana Weston-Webb (BRA) 14.20
 
 
 
Os resultados masculinos da Rip Curl WSL Finals:
 
Match 1: Conner Coffin (USA) 15.00 derrotou Morgan Cibilic (AUS) 9.84
Match 2: Filipe Toledo (BRA) 16.57 derrotou Conner Coffin (USA) 14.33
Match 3: Filipe Toledo (BRA) 15.97 derrotou Italo Ferreira (BRA) 12.44
Title Match, Heat 1: Gabriel Medina 16.30 derrotou Filipe Toledo (BRA) 15.70
Title Match, Heat 2: Gabriel Medina (BRA) 17.53 derrotou Filipe Toledo (BRA) 16.36
 
 
 
 

Itens relacionados

Perfil em destaque

Scroll To Top