Jay Adams e Tony Alva. Santa Monica, 1978. Jay Adams e Tony Alva. Santa Monica, 1978. Photo : Suzy McCartie
quarta-feira, 29 setembro 2021 18:36

O tempo em que o skate era a extensão do surf

O skate foi popularizado inicialmente por surfistas do sul da California...

 

*Por Pedro Quadros

O skate foi popularizado inicialmente por surfistas do sul da California, entre os finais dos anos 50 e primeira metade da década de 60, que procuravam por soluções para os dias sem ondas. Esses surfistas, para tentarem simular nas ruas e estradas o que faziam nas ondas, lembraram-se  de retirar as rodas dos patins, colocando-os em grossas pranchas de madeira.

Surfistas de renome como Phil Edwards (considerado como o melhor surfista da altura) e Mike Hynson (uma das estrelas do filme Endless Summer) chegaram a ter modelos de skates assinadas, tal como faziam com os seus modelos de longboards. Esses skates eram fabricados por marcas conceituadas de surf, como a Hobie. O skate era praticado geralmente com pés descalços, e as manobras horizontais eram inspiradas no surf, tais como “noserides”, “cross-stepping”, arcos com as costas, e outras.

 

Modelo de skate Makaha assinado pelo Phil Edwards

 

 

O skate passa a ser visto como um desporto alternativo para todos os adolescentes norte-americanos, fossem surfistas ou não:

 

Graças a filmes como Gidget e o Endless Summer, que apresentaram pela primeira o surf ao público não-surfista, incluindo aquele que habitava longe do mar, bem como à aura da California como o “Eldorado” da cultura jovem, o skate passa a ser visto como um desporto alternativo para todos os adolescentes norte-americanos, fossem surfistas ou não.

No entanto, a popularidade do skate, que tinha crescido enormemente graças à moda que o levou para fora do mundo circunscrito do surf, começou a desvanecer-se por volta de 1965. As pranchas de skate desta altura eram muito grosseiras – as rodas, à base de argila, não absorviam as irregularidades dos passeios e dos asfaltos. Estas deficiências levam ao esgotamento da moda, acelerado pela má reputação do skate devido à grande quantidade de acidentes.

 

 

Revolução técnica decisiva com a adopção das rodas em uretano:

 

O skate passa a ser uma actividade exclusiva a um pequeno grupo de aficionados, e praticamente cai no esquecimento. Até que em 1975 dá-se uma revolução técnica decisiva, com a adopção das rodas em uretano, um material composto usado para revestimentos de chãos e paredes, que se revela mais flexível e com a capacidade de se moldar às irregularidades do cimento dos passeios e do asfalto das estradas.

Paralelamente, no surf estava-se numa fase de intensa inovação, na esteira da “Shortboard Revolution”, com os comprimentos das pranchas a ser reduzidos e a experimentarem-se novos desenhos de pranchas e de quilhas.

O epicentro do encontro entre estas duas vagas de inovação do skate e do surf surge nas zonas de Santa Monica e Venice Beach, em Los Angeles, particularmente dentro do perímetro de um parque de diversões aquáticas abandonado – Park of the Pacific (POP), que servia de refúgio a um grupo de surfistas muito jovens, que ficou conhecido como os Z-Boys. Era a equipa de surfistas da Zephyr Productions, uma loja de surf em Santa Monica. Os membros desta equipa vão gradualmente tornando-se conhecidos não pelo surf mas pela inovação, atrevimento e rebeldia com que abordavam o skate. Muitos destes ficarão para a história do surf, tais como o Tony Alva, Stacy Peralta, Jay Adams, Allen Sarlos, entre outros.

 

 

 

Park of the Pacific (POP),em  meados da década de 1970, o sítio com surfistas locais mais agressivos da California

 

 

Este continua a ser visto como  “apenas a extensão do nosso surf”:

 

A adoção das rodas em uretano, de rolamentos mais precisos. bem como de contraplacados mais finos e leves permitiam manobras mais rápidas e velozes embora suaves, o que leva o skate a um novo patamar de popularidade. Este continua a ser visto como  “apenas a extensão do nosso surf”, como dizia Allen Sarlo. Os novos equipamentos e materiais (incluindo capacetes, cotoveleiras e joelheiras) permitem que o skate passe a ser praticado em novos locais. Surgem então os skateparks inspirados nas ondas, bem como rampas em quintais.  Começa-se a praticar também em piscinas sem água, que na altura havia em grande quantidade naquela zona por causa de um período de seca prolongada.

O skate torna-se vertical, adoptando as manobras mais radicais do surf, como o “Bert”, inspirada no surf eléctrico do havaiano Larry Bertlemann, que tanto brilhava no surf como no skate, com curvas apertadas graças aos joelhos muito fletidos e às mãos a servirem de pivots.

 

 

 

As curvas apertadas do Bertlemann dentro e fora de água. Photos Dan Merkel, Lost and Found Collection

 

 

Todos os espaços serviam para simular ondas – Em inclinações em cimento replicava-se os bottom turn’s e snaps. Nas canalizações em betão e em  assentos de ginásio empilhados simulava-se tubos.

Nós copiávamos surfistas como Larry Bertlemann, Buttons Kaluhiokalani e Michael Ho. Estes jovens havaianos estavam na vanguarda do surf moderno. Nós adaptámos para o skate o que eles faziam no surf

Como afimava Jay Adams que, a par com Tony Alva, eram as grandes estrelas deste movimento californiano de ligação entre o surf e o skate : “Nós copiávamos surfistas como Larry Bertlemann, Buttons Kaluhiokalani e Michael Ho. Estes jovens havaianos estavam na vanguarda do surf moderno. Nós adaptámos para o skate o que eles faziam no surf.”

Tal como no surf, também no skate enfatizava-se o culto do estilo, entendido como a combinação entre velocidade, fluidez e elegância. O estilo era a coisa mais importante, como referia Stacy Peralta.

 

 

Jay Adams , o modelo  de estilo e rebeldia

 

 

Cruzamento de influências e autonomização do skate:

Gradualmente as influências começaram a cruzar-se, como refere Peter Townend (surfista australiano a viver durante esse tempo na California) “Nós todos andávamos de skate com estilo, trazendo movimentos de surf para as ruas”. Mas por outro lado foi dos primeiros a fazer do “layback”, manobra originada no skate, numa das manobra mais inovadoras do surf da altura.

Peter Townend e Jay Adams abordam o “layback”

 

 

Mas este renascimento do skate não se ficou apenas pela evolução técnica, mas também por uma abordagem mais rebelde, em linha com a postura do próprio surf na altura, visto (e valorizado pelos surfistas) como uma actividade anti-social, exclusivamente para marginais, um escape para o conformismo da sociedade.

Curiosamente, é por aqui que o skate se começa a afastar do surf e a conquistar o seu próprio território. Enquanto que no surf,  a partir de 1976/1977, a cultura começa a ser dominada pelo profissionalismo bem comportado da geração “ Free Ride”, no skate a postura rebelde mantém-se dominante. Como refere o Stacy Peralta, no documentário Dogtown and Z-Boys* : “Pela primeira vez na história, grandes somas de dinheiro eram pagas a adolescentes por algo que anteriormente parecia marginal, sem valor algum. Nós éramos pagos para andar de skate. Era de loucos. Começámos a influenciar miúdos em todo o mundo”.

*Um dos melhores documentários de sempre sobre surf e skate – ver link mais abaixo.

 

Estava consumada a autonomização do skate perante o surf:

 

Finalmente, em 1977, Tony Alva completa a primeira manobra aérea, efeito da progressão natural do skate : “Alcançávamos com tanta energia o topo [da piscina ou da rampa] que começávamos a levantar voo e a fazer aerials”. Estava consumada a autonomização do skate perante o surf.

Tony Alva aéreo

 

 

O Skate e o Surf vão daí em diante seguindo os seus próprios caminhos, um virado para o oceano, o outro para a cidade, embora unidos na mesma essência original da procura das sensações intensas do deslizar.

Dogtown and Z-Boys – Documentário Completo :

 

 


Itens relacionados

Perfil em destaque

Scroll To Top