Tom Curren, Rip Curl Bells 1986 Tom Curren, Rip Curl Bells 1986
quinta-feira, 20 maio 2021 16:26

O filme lançado pela Billabong em 1987 que é visto como marcante e intemporal

Uma perfeita combinação de música, ação e locução...

 

*Por Pedro Quadros

 

O filme "Surf Into Summer", lançado pela Billabong em 1987, ainda hoje é referido por muitos como marcante e intemporal. Consegue uma ótima combinação entre ação, música e locução. O surf era o mais vanguardista daquela altura, assente no “power surfing” de surfistas como o Tom Curren, Mark Occhiluppo ou Sunny Garcia. As músicas, uma combinação entre o Punk Rock sul-californiano dos TSOL e Agent Orange, o pop dos Altar Boys e Abcederians e a “surf music” do Bill Lincoln and his Surf Guitar. Tudo pontuado pela excelente locução do Matt Warshaw, hoje em dia mais conhecido por ser historiador de surf e criador da Enciclopédia do Surf.

 

 

 

"Surf Into Summer é um into à inovação e, principalmente,

ao divertimento como finalidade maior do surfista"

 

 

 

Ao longo do filme vamos vendo momentos de antologia, como a introdução do filme, marcada pelos primeiros acordes do It´s Too Late dos TSOL e pelo surf do Jason Buttenshaw, considerado naquele tempo como um dos miúdos prodígios australianos, que desapareceu da ribalta pouco tempo depois, possivelmente por problemas com álcool.

Outro momento é o do Sunny Garcia, em que é referida uma frase que anos depois seria a assinatura da Billabong: “Only a Surfer Knows the Feeling”.  É também interessante verificar a forma como os surfistas eram apresentados na altura com personalidades mais vincadas-  “Ask him what are his ambitions in surfing and his three-word answer is a kick-some-ass”. Que surfista de topo seria descrito hoje ?

Introduzido pelos alertas “Let´s Get Serious” e “Welcome to your nightmare”, temos o Billabong Pro 1986, cujos primeiros rounds foram realizados em Waimea Bay, Hawaii, em ondas de 8-10 metros (havaianos). Até àquela altura, tinham sido das melhores ondas grandes capturadas em vídeo. Para os brasileiros (e para nós portugueses) há um ponto particularmente interessante, que é o do Almir Salazar, sentado na areia, totalmente abalado e arrasado após ter levado com quatro close-out’s.

O pico do filme é atingido com aquele que durante muito tempo foi considerado como o “The heaviest man-on-man heat”, o duelo nas semi-finais do Rip Curl Bells Beach Classic 1986 entre o Tom Curren e o Mark Occhiluppo. Neste ano, Curren era considerado quase imbatível na conquista do seu primeiro título mundial e o único que o desafiava era o Occhiluppo. O surf exibido pelos dois ainda hoje é atual e de classe mundial – se não tiverem paciência para ver o filme todo, vejam pelo menos esta parte. De tal forma estas imagens foram marcantes na história e cultura do surf que o modelo de prancha que o Curren usou neste heat – Black Beauty – ainda hoje, 35 anos depois, continua a ser fabricado pela Channel Islands, o maior fabricante mundial de pranchas.  Também de destacar o fato amarelo e vermelho do Curren, que deu credibilidade e respeitabilidade aos fatos e roupas de surf florescentes.

 

 

"O Surf exibido por dois atletas que aparecem no filme

ainda hoje é de classe mundial"

 

 

Nota : O Curren acabou por ser derrotado na final por Tom Carroll, mas isso não o impediu de conquistar o seu primeiro título mundial na temporada 1985/1986.

Hoje em dia, o Surf into Summer só está disponível “clandestinamente”, pois não pode ser re-editado devido aos direitos das músicas. É curioso constatar que o surf, na altura não tão massificado como atualmente, conseguia, mesmo assim, influenciar muito mais gostos, musicais e comportamentais, fora do mundo estreito do surf. O surf (e o skate) impulsionaram a popularidade dos TSOL e dos Agent Orange, e com elas a do Punk Rock sul-californiano.

 

 

"Em 1987 o surf já influenciava gostos musicais e comportamentos"

 

 

O Surf into Summer é um hino à inovação e, principalmente, ao divertimento, a finalidade maior do surfista. E não podia concluir melhor do que com a célebre frase do Phil Edwards : “In 1963 surf legend Phil Edwards was asked who he thought was the world’s best surfer. Without hesitation Edwards replied ‘the best surfer in the world is the one having the most fun' “ Amén.

 

 

 

"the best surfer in the world is the one having the most fun' “

 

Amén

 


Itens relacionados

Perfil em destaque

Scroll To Top