De volta ao mar quase um ano depois Rui Oliveira é de novo feliz na companhia da sua familia, amigos e das ondas... De volta ao mar quase um ano depois Rui Oliveira é de novo feliz na companhia da sua familia, amigos e das ondas...
quarta-feira, 30 dezembro 2020 23:41

Voltar de novo ao mar !

"Depois de duas intervenções cirúrgicas duras e 5 meses de quimioterapia"...

 

 

 

Este texto da autoria de Rui Jorge Oliveira, homem do mar e da fotografia ,dá-nos a conhecer a sua realidade, dura e dificil de aceitar durante o ultimo ano. Rui enviou esta sua experiência para a redação Surftotal a qual não quisemos deixar de partilhar.

 

 

 

 


_"Hoje em dia voltar ao mar é um ato banal. Olhamos as previsões e apontamos na agenda aquele dia e aquela hora, e já está. Nunca foi tão fácil. Mas nem sempre o “Voltar ao mar” é banal. Por vezes voltar ao mar fica marcado na nossa vida.

Desde os 12 anos que constantemente volto ao mar. Sou daquele tempo que se faziam kms e kms sem saber se iriamos apanhar boas ondas, íamos apenas na nossa sorte. Agora com 47 anos de idade, apenas volto ao mar quando realmente vale a pena, torna-mo-nos mais seletivos.

Está a fazer 1 ano que uma notícia viria a mudar radicalmente a minha vida, e a maneira como olho para ela. Sempre tive uma vida saudável, sem tabaco nem drogas, era o puto careta que se dava com toda a gente, mas não tocava em nada que pudesse comprometer o surf do dia seguinte. Sim, tive as minhas noitadas de Bairro Alto bem regadas, mas no dia seguinte, logo pela fresquinha estava dentro de água. Mas voltando à tal notícia, aquela que ninguém quer ouvir. Após alguns sintomas estranhos e dores abdominais, foi-me diagnosticado uma neoplasia do cólon, em linguagem corrente cancro do intestino.

Nesse dia, 23 de Dezembro do passado ano, lembrei-me quando perdi um grande amigo. Foi na década de 90. O meu companheiro de matinais, Nuno “Alemão” falecia repentinamente do mesmo mal. Na altura senti-me revoltado, não era justo. E o no meu pensamento ficou a ideia que nesta vida nada nem ninguém nos irá avisar quando iremos fazer a nossa última onda. Ainda hoje penso nele quando faço matinais solitárias.

Mas voltando à minha situação. Há um ano voltei a ter o mesmo pensamento, será que já surfei a minha última onda? Gelei! Pior que sair de água com a temperatura exterior abaixo dos zero graus. A minha batalha estava a começar e meti na cabeça que iria “Voltar ao mar”. Na verdade outros factores ajudaram-me a erguer claro, a família os amigos. Mas sempre com vontade de voltar ao mar. Depois de duas intervenções cirúrgicas duras e 5 meses de quimioterapia ainda não tinha certezas de nada. Lutava todos os dias. Entre cirurgias e quimioterapia, um momento marcou esta batalha. Uma visita de cerca de 50 amigos e colegas de trabalho (atenção esta visita foi feita mesmo antes das restrições devidas à pandemia) trouxe uma mensagem de esperança de 8 pés. Sim, uma prancha nova, como quem diz vais “Voltar ao Mar”! .... A pressão agora aumentava e, de dia para dia a certeza que iria sentir novamente a força do mar aumentava.

Cinco meses separavam-me então desse tão esperado momento. Cinco meses num dos mais difíceis tratamentos, pois para além de durarem uma eternidade, tornam-se um osciloscópio permanente entre estar mal e recuperar. Inventei mil cenas para me ocupar, não podia ir ao mar pois estava com os níveis de defesas muitos baixas, no entanto vontade não faltava! E de vez em quando lá tirava a prancha da garagem para planear o seu "batismo".

Passado um mês lá fui eu fazer os exames para saber se todo o processo tinha resultado como previsto. A ansiedade aumenta, e os resultados aparecem! Tudo em ordem, e já tinha reposto os níveis!

O dia de “Voltar ao Mar” estava a chegar. E bastou um telefonema a desafiar-me para que no dia seguinte estivesse novamente a olhar de perto para o Oceano. E lá voltei, num dia de mar tranquilo, com muito sol e boa companhia! Vestir o fato, sentir os pés na areia, parecia que estava a renascer. Sentir novamente as ondas a bater nos pés, olhar para o horizonte e remar.  Disputar as ondas, claro tendo sempre prioridade. Sentir o frio e o sal da água do mar não tem discrição, quando aprendemos que nada é garantido na nossa vida. E quando saí, vi passar mesmo à frente dos meus olhos todos aqueles meses e medos, e venci.

Foi apenas preciso acreditar e lutar! Mas não termina aqui, durante os próximos anos terei, de continuar a fazer exames e mais exames, mas pelo menos poderei “Voltar ao Mar”!..."

 

Itens relacionados

Perfil em destaque

Scroll To Top