banner topf

Itens relacionados

quinta, 28 março 2019 10:38

TYLER WRIGHT RETIRA-SE DA PRIMEIRA METADE DA TEMPORADA DO CT DEVIDO A DOENÇA

A 2x campeã mundial de surf Tyler Wright anunciou que se irá retirar da primeira metade da temporada do Championship Tour (CT) da World surf League (WSL), citando como causa a recuperação atrasada da Influenza A e Síndrome Pós-Viral.

A surfista australiana contraiu a doença em Julho de 2018 durante uma viagem de treino a África o que a forçou a desistir do evento Corona Open J-Bay, antes de se retirar da restante temporada de 2018. Além da doença inicial, a Influenza A, a Síndrome Pós-Viral resultante atrasou Tyler de fazer uma recuperação completa até ao momento.

Enquanto tristemente se vê forçada a retirar da primeira metade da temporada do CT de 2019, Tyler conta-nos sobre o seu processo de recuperação.

 

Olá Tyler, obrigado por falares connosco. Lamento saber que ainda não estás a 100% e da tua retirada do primeiro semestre de 2019. Podes falar-nos um pouco sobre isso?

Sim, eu estou muito mal desde a minha viagem a África no ano passado. O ataque inicial com a gripe A foi terrível. Quando voltei para casa alguns sintomas melhoraram, mas outros pioraram consideravelmente. Os meus médicos diagnosticaram Síndrome Pós-Viral que realmente me enviou numa verdadeira montanha-russa. Essencialmente, sinto, quase sistematicamente, sensibilidade à luz e ao som, dores de cabeça e nevoeiro cerebral. Situações estressantes e pequenas tarefas tornam-se extremamente difíceis quando o nosso corpo não trabalha como é suposto de uma forma normal.

 O objetivo é a recuperação a 100% e eu sinto que tem havido progresso, por mais lento que seja. Sinto que a recuperação será em etapas:

 - O estágio 1 é viver um dia / semana normal, sem os sintomas sistematicamente

- O estágio 2 é introduzir tarefas físicas aumentadas

- Fase 3 é aumentar as tarefas físicas com viagens

- Estágio 4 é voltar a estar no meu melhor

 Por mais claras que estas etapas possam parecer, porém, vêm com tentativa e erro. Ir consultando os meus médicos é importante de forma a combinar as minhas expectativas com a minha realidade, e é por isso que me estou a retirar da primeira metade da temporada do CT.  Neste momento sinto que alguns dias estou no Estágio 1 e outros dias estou no Estágio 2.

 

 Como é o teu dia-a-dia?

Neste momento a minha vida está muito lenta.

Eu passo os meus dias a tomar todas as minhas coisas saudáveis,  a comer bem, a ler Harry Potter e a encomendar todo o tipo de livros do meu interesse. Recentemente plantei um abacateiro que estou a ver se cresce. Plantei também uma melancia e tomate, e parece-me que vou ter sucesso. Ha! E tenho escutado podcasts interessantes.

Na maioria das vezes, o meu lado de atleta sente-se perdido porque estou tão acostumada a “melhorar”: treinar, reabilitar e empurrar, mas fazer isso com esta doença acaba por levar uma pessoa ao chão. É uma poça de lágrimas. É completamente enervante, porque no meu dia / recuperação, quanto menores os passos que dou, maior é a recuperação, o que é o oposto de lutar, como eu costumo fazer. Isto deixa-me perplexa, pois na maior parte do meu tempo estou a desaprender o que fiz durante toda a minha carreira. Faço meditação duas vezes por dia e isso ajuda. Ter uma rotina também ajuda muito, mas não é nada selvagem. Sinto que estou a fazer progressos, e estou feliz por isso, por ser capaz de fazer novamente algumas coisas normais, todos os dias. Também me sinto bem com as minhas novas habilidades de jardinagem, é incrível ver algo crescer do nada e saber que fui eu que fiz.

 

Já voltaste a surfar?

Eu surfei algumas vezes em pranchas de espuma e funboards. Parece incrível por cerca de 20 minutos, mas depois fico superexcitada e isso custa-me um pouco. Estar no oceano sempre me fez sentir melhor, mesmo no pior dos dias ... mesmo que fosse só por um minuto.

 

Tyler a curtir as ondas de Maui Imagem:Corey Wilson / Rip Curl

Qual é o primeiro evento no qual poderás voltar?

Jeffreys Bay é o primeiro evento em que poderei retornar à competição, o que seria meio poético, pois acho que foi em Jeffreys Bay que me retirei no ano passado. Dito isso, veremos como a recuperação continua e fazemos outra avaliação quando nos aproximamos da data do evento.

 

2019 é um ano importante para o surf, as Olimpíadas e a qualificação para o Japão. Já pensaste sobre isso?

Ter uma semana sem sintomas seria incrível, por essa razão as Olimpíadas parecem-me neste momento um mundo distante. Porém, é um grande ano. O surf feminino nunca esteve tão saudável como neste momento, com pessoas de mentalidade forte a liderar o caminho. Se eu estiver a assistir em casa ficarei muito orgulhosa.

 

Assististe  à última temporada do CT após te retirares? Vais assistir esta temporada?

Assisti no ano passado e achei muito interessante. Foi brilhante a Stephanie Gilmore ter trazido um treinador e excitante ver o seu aumento de impulso competitivo, mesmo após os seus seis títulos anteriores. Acho que os rookies se saíram bem e Carissa provavelmente teve o heat do ano.

Este ano, estou ansiosa para ver como o Lakey se sairá e como a Steph continuará com um treinador. Também Micro (inquestionavelmente o melhor treinador de surf) assumiu a rookie Brisa (Hennesy) e a veterana da turné, Sal (Fitzgibbons). Assistir do lado de fora é emocionante!

 

Obrigado por falares com a SurfTotal, Tyler. Sentimos a tua falta e esperamos que tenhas uma recuperação saudável e rápida.

 

Obrigado rapazes. Saudades de vocês também.

Perfil em destaque

vimeo

 

 

Scroll To Top