Pablo Solar ex Campeão Europeu do Circuito EPSA é o técnico que comanda as selecções Pablo Solar ex Campeão Europeu do Circuito EPSA é o técnico que comanda as selecções segunda-feira, 25 julho 2022 18:32

Em 2021, a Federação Espanhola de Surf, distribuiu mais de 250.000€ em ajudas aos atletas nacionais

 Entrevista à selecção campeã Europeia de Surf Junior, no Eurojunior em Portugal...

 

A Federação Espanhola de Surf foi constituída em 1999, embora tenha ficado activa apenas durante o ano de 2000, ano esse em que foi participar pela primeira vez no Mundial ISA em Porto de Galinhas no Brasil, conseguindo aqui um discreto 11º Lugar.

A Federação Espanhola de Surf é liderada pelo Presidente Carlos Garcia, (Presidente a tempo inteiro não remunerado) assim como pelos seguintes membros da direcção e corpo técnico:Presidente ( não remunerado ), Uma Secretaria geral (não remunerada), um Gestor(remunerado ), 1 vice presidente (Iballa Ruano - Não remunerado), 3 vice presidentes (Não remunerados), 4 vogais(Não remunerados)


Staff Técnico (Remunerados embora não trabalhadores da FES):
Surf:Pablo Solar, Ibon Amatriain, Luis Perez (Secretário Técnico), Rafa Selles (Chefe de Serviços Médicos, Guillerme Gutierrez ( Tecnico em Practicas ), Kako Garcia ( Psicólogo )
Bodyboard: Luis Perez Benito ( Seleccionador )
Surf Adaptado:Luis Perez Benito ( Manager ) – Lucas Garcia ( Tecnico ) – Pedro Gutierrez ( Tecnico & Logistica)
Stand Up Paddle:Iballa Ruano ( Team Manager ) - Carlos Lopez ( Coordenador Geral SUP ) – Manuel Simoncelli ( Tecnico SUP Race ) – Oscar Ruiz ( SUP ondas ) – Pedro Pablo ( Presidente Comité SUP )
Longboard:Roman Diez ( Team Manager & Tecnico ) – Ricardo Palomeque ( Técnico )
Meio-Ambiente & Formaçao:Ignacio Garcia ( Responsavel)Angel Logo ( Meio-ambiente ).

 

 

A Surftotal esteve à conversa com Lourenço Chaves de Almeida, Português e Gerente e vice-presidente desportivo da Federação Espanhola de Surf.  Durante esta conversa tentamos perceber como é que uma das selecções mais discretas a nível europeu no inicio do século 20, embora de um dos países com melhores ondas da Europa, conseguiu chegar a Campeã Europeia Junior, no evento que terminou durante o ultimo fim de semana em Santa Cruz, Torres Vedras, Portugal. 

 

 

 

 

 

 

 

Em 2021, a Federação Espanhola de Surf, distribuiu mais de 250.000€ em ajudas aos atletas nacionais, tanto juniores como Open

estas ajudas permitem que os atletas enfrentem os principais circuitos internacionais e se preparem para eventos mundiais.

 

 

 

 

Carlos Garcia - Presidente da Federação Espanhola de Surf

 

Surftotal:Olá Lourenço muitos parabéns, após 22 anos da Federação Espanhola de Surf surge um título que já se vinha a adivinhar? Tem sido um percurso complexo, na construção das bases do surf em Espanha?


Lourenço Chaves d`Almeida -  Sim, a verdade é que este foi o primeiro resultado onde se reflete todo o trabalho realizado pelas Federações de Surf, atletas e escolas em Espanha!
Tanto a Federação Espanhola como as Federações Autónomas têm vindo a desenvolver um modelo desportivo conjunto, começando pela base e terminando nas selecções nacionais e regionais. Ainda estamos a trabalhar e desenvolver o modelo, pois ainda há muito o que fazer e melhorar, também é verdade que, com os recursos que disponibilizamos, fizemos um trabalho imensurável.
Este é apenas o começo, esperamos em 2026 ter resultados semelhantes no OPEN.

 

Os Campeões Europeus 

 

em 2020 começamos com um orçamento ridículo (€ 30.000)

 

 


Surftotal:Ainda nos lembramos de quando a Espanha estava muito atrás das principais seleções europeias e mundiais, o que mudou? Ou quais as mudanças que consideras terem sido essenciais para que a Espanha seja agora uma das equipes favoritas?

Lourenço Chaves d`Almeida  -  Obviamente estávamos anos atrás com alguns países, pois fomos uma das últimas federações europeias a ser constituída e quando o fizemos começamos com um orçamento ridículo (€ 30.000)!
Acho que não mudou nada significativo em relação há 6 anos atrás, mas o desporto é assim, o que plantas hoje colhes amanhã (6 a 8 anos).
O presidente Carlos Garcia sempre nos lembra que esta é uma corrida de longa distância, não um sprint!
Uma mudança significativa é a maturidade das Federações em Espanha, antes éramos apenas 4 federações em Espanha, agora somos 8 Federações e 3 Delegações regionais, quase todas as federações regionais com um orçamento maior que a da FESURFING em 2000. Unimos o trabalho de muitas escolas e treinadores formados em ciências de Desporto, encontram-se assim os principais motores de mudança.


Surftotal: Sendo Espanha um País dividido por regiões autónomas, como tem sido a gestão das equipas que têm vindo a fazer parte das selecções Espanholas de Surf nas diversas competições da ISA e da ESF ? 

Lourenço Chaves d`Almeida  - Ao contrário do que possa parecer de fora, considero que a Espanha não é um país dividido, mas sim um país unido pelas Regiões e Nações Autónomas. Obviamente, vivemos algumas situações de divisão impulsionadas por movimentos políticos separatistas que afetaram o desporto, pois usaram-no para exacerbar o que nos divide, mas no final acabou por nos unir mais.
Pessoalmente, acredito que a força da Espanha está na sua estrutura e organização territorial, acredito que traz muito mais vantagens do que desvantagens. Em Portugal existe apenas uma estrutura federativa que promove o Surf, atualmente em Espanha somos 8 estruturas federativas a lutar pelo surf, 7 com competições regionais e provinciais e 1 nacional.
Ao nível da gestão das selecções nacionais, nunca houve problema na participação dos diferentes atletas na selecção nacional, e se antes era uma questão candente (por interesses políticos de alguns), hoje é completamente normal . Devemos estar cientes de que em Espanha existem 17 Comunidades e cidades autônomas, com as suas bandeiras e suas línguas oficiais. A ESPANHA É DIFERENTE, e essa diferença é o que nos torna fortes.

 

 

 

O surf é muito apreciado tanto em Madrid como nas principais comunidades autónomas com ondas,

mas este apoio ou reconhecimento não se aproxima nem de longe ao de Portugal ou França...

 

 

As meninas que acabaram por ser decisivas no resultado final

 


Surftotal: Esta vitória ajudou a cimentar os apoios do Ministério do Desporto à FPES?  O Surf é já um Desporto considerado importante em Espanha? Também considerado pelo Governo Central? Como funcionam os apoios em Espanha ao Surf e à FPES?

Lourenço Chaves d`Almeida  - Sem o apoio do Conselho Superior de Desporto (o órgão esportivo institucional mais alto da Espanha), a FESURFING não teria conseguido chegar onde está hoje. Os recursos que a CSD destinou à FESURFING têm crescido a cada ano. Em 2021 tivemos um crescimento de 25%, sendo a federação com maior percentual de crescimento entre todas as federações nacionais. Obviamente, a FESURFING continua a trabalhar para poder desenvolver um projeto olímpico e para isso esperamos continuar a contar com o apoio do CSD, e a torcer para que o auxílio seja semelhante ao das demais federações olímpicas.

O surf é muito apreciado tanto em Madrid como nas principais comunidades autónomas com ondas, mas este apoio ou reconhecimento não se aproxima nem de longe ao de Portugal ou França. Aqui Portugal tem uma grande vantagem sobre nós!

 

Surftotal: Em termos de seleccionador nacional? Sabemos que Pablo Solar já se encontra há mais de 10 anos à frente da selecção, agora em conjunto com o Amatrian, o trabalho que têm vindo a fazer junto da selecção é notável, porque razão? Há uma dedicação a 100% por parte dos seleccionadores nacionais?

Lourenço Chaves d`Almeida -  Muito do sucesso da equipe de surf se deve à equipe técnica (Pablo Solar, Ibon Amatriain, Luis Perez (Secretário Técnico) e Rafa Selles (Chefe de Serviços Médicos)). Em relação ao trabalho técnico, tanto Pablo Solar quanto Ibon Amatriain são pessoas de caráter muito semelhante, são pessoas colaborativas, estão entre os técnicos mais experientes do mundo em eventos de seleções e o mais importante, são surfistas muito bons e melhores treinadores, essas são as características mais marcantes, e que têm sido relevantes para alcançar o sucesso.
Tanto Pablo quanto Ibon combinam seus projetos pessoais com o trabalho de técnicos Federativos. Devido a limitações orçamentárias eles não têm uma dedicação exclusiva, embora esperemos que isso mude este ano. É fundamental ter uma equipe profissionalizada para poder realizar um projeto olímpico, este ano esperamos que aprovem um orçamento que permita essa profissionalização.

 

 

As marcas de surf estão a reduzir ao mínimo o apoio a atletas de todo o mundo, Espanha não é exceção..

 

 

 

 

Surftotal: Como é feita a selecção dos competidores para fazerem parte da selecção nacional de surf Espanhola? 

Lourenço Chaves d`Almeida -  Este ano as Seleções Nacionais partem de alguns critérios objetivos que podem ser consultados no site do fesurf, estes critérios destacam os resultados mais importantes dos atletas em:
Circuito WSL (1 ou 2 lugares)
Critérios Técnicos (1 lugar)
Circuito Nacional de Surf (1 lugar)
O critério técnico só é utilizado em ocasiões muito especiais no caso de algum atleta, que deve estar presente não cumprir nenhum dos critérios objetivos indicados por algum motivo (lesão, etc).
Em relação à seleção Open, esta seleção deve ser feita 150 dias antes do evento (90 para juniores), sendo contabilizados os eventos que ocorrerem 365 dias até aquela data.
O trabalho dos técnicos torna-se muito mais técnico do que seletivo, ou seja, eliminamos a função de Seleccionador para potencializar a do TÉCNICO DE SURF DE ALTA COMPETIÇÃO.

 

 

 

Desde já o meu agradecimento pelo trabalho e apoio prestado pela DEEPLY a alguns atletas espanhóis.

Ao contrário de algumas (muitas) marcas do setor, DEEPLY mostra que apoia e trabalha com atletas sem precisar explorá-los financeiramente.

 

 

 

Surftotal: As Marcas de Surf em Espanha apoiam os atletas jovens de topo QB ? A Federação Espanhola de Surf dá aí uma ajuda? E aos atletas seniores?

Lourenço Chaves d`Almeida -  As marcas de surf estão a reduzir ao mínimo o apoio a atletas de todo o mundo, Espanha não é exceção, há alguns atletas (pode contá-los nos dedos de uma mão) que têm um apoio significativo e outros atletas que têm autocolantes na prancha mas, claramente, eles não estão a receber o retorno que deveriam das marcas.
Uma das marcas que mais apoia alguns atletas espanhóis é a portuguesa DEEPLY. Desde já o meu agradecimento pelo trabalho e apoio prestado pela DEEPLY a alguns atletas espanhóis. Ao contrário de algumas (muitas) marcas do setor, DEEPLY mostra que apoia e trabalha com atletas sem precisar explorá-los financeiramente.
A ajuda federativa aos atletas é fundamental, pois poucos têm ajuda das marcas do setor, ou de fora, que lhes permita exercer a sua vida desportiva de forma otimizada.
Em 2021, a Federação Espanhola de Surf, com a ajuda do CSD, distribuiu mais de 250.000€ em ajudas aos atletas nacionais, tanto juniores como Open, estas ajudas permitem que os atletas enfrentem os principais circuitos internacionais e se preparem para eventos mundiais.

 

 

 

não vejo a Federação Portuguesa de Surf com um projeto líder a nível europeu, e acredito que poderia, ou deveria, ser assim...

  

 

Hans Odriozola ( 4º no mundial de El Salvador e favorito para o europeu, esta é grande promessa do surf nacional juntamente com o seu irmão Kai Odriozola,  (Aqui com o Português Matias Canhoto)

 

Surftotal: Como foi o trajecto em Santa Cruz? França era a favorita mas sabíamos que Espanha tinha uma palavra a dizer, e Portugal acabou por surpreender, como viste esta prova em termos de nível geral dos atletas?

Lourenço Chaves d`Almeida -  O nosso objetivo era estar entre as 3 melhores equipas europeias. Apesar de termos enfrentado a competição sem complexos porque sabíamos que o nosso nível está à altura, o ouro foi uma opção real face aos resultados do Mundial, onde estivemos muito próximos de França, e com alguns atletas a apresentarem desempenhos abaixo do seu nível de surf. .
Sexta-feira era o dia da análise e tudo dependia das finais, poderíamos ficar em terceiro ou primeiro, dependia fundamentalmente de nós e de alguma falha do rival.
No sábado, quando chegamos à final masculina sub-18, sabíamos que se Kai vencesse estaríamos em um empate técnico entre França e Espanha, as meninas sub-18 decidiriam a equipe vencedora, bastaria a Lucía Machado ficar à frente dos franceses e seríamos campeões europeus, o sucesso ou fracasso de uma semana inteira de competição (eu diria anos de trabalho) seria decidido nos últimos 30 minutos do Campeonato da Europa. Apenas os técnicos estavam cientes desse facto, o atleta entrou para vencer, ignorando o que a equipa estava a necessitar. Sabíamos que Lúcia era uma clara favorita para vencer, então deixamos a bateria ser disputada optando pelo ouro individual desde o primeiro minuto, mas quando faltavam cerca de 6 minutos para terminar (Lucia 2ª e Sarah 4ª), a estratégia entrou em jogo, e o lema era proteger nossa posição e abandonar a possibilidade de Lucia ser campeã europeia. O resultado da equipe estava em jogo. No final o resultado manteve-se e o esforço de muitos anos de trabalho deu-nos um retorno positivo e finalmente fomos os JUNIOR SURFING EUROPE CHAMPIONS.

 

 

 

Surftotal: Vamos falar de Portugal, como tens visto a evolução do Surf em Portugal? Como viste a selecção Portuguesa nesta prova?

Lourenço Chaves d`Almeida -  A evolução do surf português tem sido boa, os resultados dos atletas individuais são um claro exemplo disso, mas tenho a sensação de que poderia ser melhor. Como sabem, estou há muitos anos fora de Portugal e sobretudo como concorrente direto (traidor do país ;) ), mas penso, não sei se é por falta de apoio, mas não vejo a Federação Portuguesa de Surf com um projeto líder a nível europeu, e acredito que poderia, ou deveria, ser assim.
Vi muito bem a seleção portuguesa, Portugal tem surfistas de topo muito bons, mas falharam nas finais, "faltou marcar golos".

 

 

este evento europeu foi o melhor evento desportivo júnior da história,

pois vimos atletas júnior brilharem não só das equipas principais (França, Espanha ou Portugal),

mas também de outras equipas como Inglaterra, Itália, Alemanha ou Holanda ,

no próximo europeu será difícil manter a posição.

 

 

Surftotal: Mais alguma coisa a dizer?

Lourenço Chaves d`Almeida -  Digo-vos que este evento europeu foi o melhor evento desportivo júnior da história, pois vimos atletas júnior brilharem não só das equipas principais (França, Espanha ou Portugal), mas também de outras equipas como Inglaterra, Itália, Alemanha ou Holanda , no próximo europeu será difícil manter a posição.
Ainda temos o desafio de trabalhar juntos para tornar o Surf Europeu grande em todo o mundo, da FESurfing vamos trabalhar para cooperar com todas aquelas federações que querem um projeto europeu forte, capaz de colocar o Surf Europeu na altura que merece...
Por fim, para dizer que por trás desse sucesso também está uma das pessoas mais importantes da FESurfing, a pessoa que trouxe uma visão de gestão esportiva inovadora, um defensor incansável de seu povo, do meio ambiente e do surf na Espanha, nosso presidente Carlos García .

MAHALO Carlos por nos orientar e confiar em sua equipe.

 

O Português Lourenço Chaves d'Almeida, Gerente da Federação Espanhola de Surf

Itens relacionados

Scroll To Top