banner topf
Miguel Blanco definiu bem os seus horizontes para 2019. Aqui em desert Point. Miguel Blanco definiu bem os seus horizontes para 2019. Aqui em desert Point. Arquivo Pessoal

Itens relacionados

sexta, 15 fevereiro 2019 11:32

"EM 2019 ESTAREI MAIS FOCADO A NÍVEL INTERNACIONAL" - MIGUEL BLANCO

Entrevista a Miguel Blanco, um dos maiores ícones atuais do Surf Português.

Miguel Blanco, Português, 23 anos de idade, Campeão Nacional de surf 2018, saltou para o estrelato do surf mundial o ano passado apostou numa sessão de surf com ondas épicas em Nias-Indonésia. Por falar em apostas conhece a Nossa Aposta código de bónus?. Aí fez a capa da mais famosa revista de surf do Mundo, a Norte Americana Surfer.

 

Esta é uma entrevista feita hoje, dia 15 de Fevereiro, ao Miguel Blanco, um dos maiores ícones atuais do Surf Português.

 

Surftotal: Como estás a encarar a época de 2019, em termos de motivação e objectivos? Vais tentar a renovação do título nacional ou focar-te no Mundial de Qualificação?

Miguel Blanco:Claro que renovar o título Nacional seria incrível. A nossa Liga Nacional tem um excelente nível de surf e é bastante competitiva mas os meus objectivos estão focados um pouco mais a nível internacional, não só em campeonatos mas também a nível de exposição, surf trips ou projectos em paralelo. A qualificação é um objectivo mas ainda está um pouco distante e não quero estar associado apenas a um ranking ou ao último resultado que fiz. Para mim o surf tem a vertente do sonho, aventura e desafio. Gosto de ondas pequenas, ondas grandes, ondas perfeitas e não me vou estar a limitar à competição.
 
Surftotal:Já tens a época planeada em relação às competições em que vais entrar? WQS e LIga Nacional? Como vai ser o teu ano?

Miguel Blanco: Vou começar o meu ano competitivo com o WQS em Noronha e de seguida a 1ª etapa da Liga Meo antes de partir para a Austrália para fazer 2 WQS’s. Talvez na Austrália, se vier algum cyclone swell como veio o ano passado na mesma altura, gostava de ir a Snapper. Já lá fui mas nunca apanhei good to epic. Também gostava de explorar um pouco os slabs em Sydney e se der ficar lá para apanhar umas ondas com o meu amigo Kipp Caddy. Vou sempre tentando escolher os WQS’s com em boas ondas para fazer os dois. Ao longo do ano, vou ajustando o plano, mas está previsto fazer os QS’s em Portugal, Chile e África do Sul. Japão, por exemplo, é um sítio que não quero ir.

*Miguel durante a sessão em Nias - Indonésia onde saltou para o estrelato do surf mundial ao fazer a capa da mais famosa revista do Mundo - a Surfer - click por Justin Buulo

 

Surftotal: Agora és atleta de um clube histórico no desportos português mas sem expressão no surf. O que é que te levou a aceitar este desafio no GD Estoril Praia?

Miguel Blanco: Cresci na linha do Estoril. Passei muito tempo da minha infância em São Pedro do Estoril e na Poça. Sempre quis estar associado a um clube local. Comecei no Surfing Club Portugal, numa altura que nem pensava que alguma vez estaria aqui a escrever esta entrevista (ahah, aos 8 anos creio) pois comecei a surfar na Praia de São Pedro. Depois fiz parte do Surfing Club Costa do Sol da praia da Poça porque treinei com o David Raimundo e o Nuno Telmo durante os meus primeiros anos de competição até quase ao final da carreira Júnior (20 anos). Quando comecei a treinar com o Zé Seabra, decidi retribuir um pouco à praia onde cresci e voltei para o Surfing Club Portugal por 2 anos. No final de 2018, surgiu uma proposta do Estoril Praia e assim começou uma nova parceria e fase desportiva. Sendo um clube histórico com bastante visibilidade mas sem expressão no surf nacional até ao momento, acho que não poderia ser melhor desafio integrar-me num clube que está agora a apostar no surf e, acima de tudo, um clube que me identifico por partilharmos as mesmas raízes, o Estoril . O cuidado e atenção que eles têm com os atletas também é bastante maior e mais personalizado, com infraestruturas de treino ao mais alto nível.  
 
Surftotal: Há uns bons anos o Benfica teve um projecto ligado ao surf que entretanto terminou, depois de tu teres sido anunciado no Estoril Praia o Sporting fez parcerias com duas escolas na Praia de Carcavelos. O que é que os clubes que se dedicam quase por inteiro ao futebol podem trazer ao surf?

Miguel Blanco: Estes clubes grandes podem trazer outra dimensão ao surf nacional. Mais exposição, melhores infraestruturas e condições. No fundo, contribuir para o progresso e evolução do surf em Portugal.



Surftotal:Em termos técnicos o que pretendes do teu surf em 2019? Vais apostar em algum tipo de manobras específicas? Em que aspecto vais trabalhar mais este ano?

Miguel Blanco: Em 2019 procuro continuar a desenvolver o meu surf para ficar ainda mais sólido. Vivo agora na Ericeira. Quero afiar mais o surf, pondo mais rail, tubos maiores e mais profundos e aéreos mais altos.
 
Surftotal:Vens de uma lesão. O que é que te aconteceu? Ficaste muito tempo impossibilitado de surfar? Já estás a 100%?

Miguel Blanco:No final de 2018 sofri uma lesão no menisco e no ligamento lateral interno. Estive-me a tratar entre a Joaquim Chaves, o Estoril Praia e a Federação Portuguesa de Surf. Felizmente não foi preciso operar mas custou um pouco a recuperar e só agora é que estou a voltar ao surf. Sinto que ainda não estou a 100% pois tive quase 2 meses fora de água mas estou satisfeito com a recuperação e em breve vou estar a 100%.

*Blanco priveligia também as viagens pelo mundo pois considera que o surf vai muito mais além do que apenas competição


 
Surftotal:Sentes-te pronto para a tua primeira competição de 2019, o QS6000 em Fernando Noronha, Brasil, que arranca já a 19 de Fevereiro? Conheces a onda onde vais começar a época competitiva? Já surfaste em Fernando Noronha? Sabes o que te espera?

Miguel Blanco:Fernando Noronha é um campeonato um pouco diferente dos outros. A praia da Cacimba do Padre é um beachbreak de água quente bastante parecido com Supertubos e por isso mesmo optei por ir na viagem, também com a intenção de voltar ao ritmo de surf depois da lesão. Já lá estive há uns anos também com a SurfTotal e adorei! Queria muito voltar e achei que esta seria uma óptima oportunidade. Durante a viagem vou estar com o fotógrafo Henrique Pinguim a produzir conteúdo e vai entrar um bom swell logo nos primeiros dias! Estejam atentos!
 
 
Surftotal:Este ano a armada portuguesa que anda no WQS vai contar com o Kikas. Claro que, como todos os portugueses, preferias que o Frederico tivesse continuado no WSL, mas teres a companhia de um surfista como ele no WQS pode acabar por ser benéfico? Se sim, em que aspectos?

Miguel Blanco: Foi com muita pena que vi o Frederico a cair do WCT mas tenho a certeza que há de voltar para o tour em breve. Ele já fazia os WQS’s no ano passado ao mesmo tempo que corria o WCT. Mas claro que ter mais um português no circuito é sempre bom para puxar o nível uns dos outros.
 
Surftotal:Em termos de equipamento, há alguma alteração nas tuas pranchas que estejas a introduzir para este ano? Estás contente com as pranchas que tens?

Miguel Blanco:Não tenho patrocínio e por isso estou aberto em relação a pranchas e tento ir buscar as melhores pranchas que se adequem ao meu surf. Em Portugal faço bastantes pranchas na Semente e algumas na Org. AlMericks da Pukas, DHD’s da Austrália e Mayhems da Califórnia. As minhas medidas base são 5’10 183/8 21/4 mas vou alterando ligeiramente consoante o tipo de ondas que surfo. Para surfar na Ericeira é bom ter pranchas mais sólidas para puxar nos carves, mas nos WQS’s, principalmente na Europa, é bom ter pranchas mais leves e soltas porque costumam ser ondas mais pequenas e de verão.
 
Surftotal:Costumas ver a SurfTotal? Se sim, refere a última coisa que viste por aqui! (sem ser esta entrevista, claro!)

Miguel Blanco:Quase todos os dias, keep updated!


 


Perfil em destaque

vimeo

 

 

Scroll To Top