Frederico Morais, em Narrabeen   Frederico Morais, em Narrabeen Por: WSL
quinta-feira, 22 abril 2021 13:32

"Nas decisões mais críticas do evento o painel de juízes esteve bem!"

A análise do Rip Curl Narrabeen Classic pelo Juiz Internacional Pedro Barbosa...

 

A 3º etapa do circuito mundial, em Narrabeen...

 

Ninguém esperava que voltássemos aos palcos do surf dos anos 80 e 90 onde não temos o Surf de “classe mundial”, no entanto este evento até superou as expectativas relativamente à qualidade das ondas.

Parece que temos uns novatos a desafiar a dinâmica dupla Medina / Ítalo. Apesar desta ser claramente a dupla mais competitiva do circuito, existem uma série de jovens talentos que, em certas fases do evento, se tornam a referência tendo em conta a qualidade de surf que apresentam.

O nosso grande representante (Frederico Morais) consegue aqui um excelente 3º lugar e mostra a sua escola de surf de backside desenvolvida nas esquerdas do Guincho. Apesar da sua imagem de marca ser os carves de frontside, considero o seu surf para a esquerda como o ponto mais forte. A forma como encaixa as manobras top to bottom, sempre junto do pocket, sem perder velocidade e excelente utilização do rail fazem dele um adversário difícil de bater, especialmente no tipo de condições que vimos em Narrabeen. Com este excelente resultado, o Kikas sobe ao 8º lugar, talvez a sua posição mais alta no ranking do World Tour.

 

"Mais uma vez, um erro estratégico [de Frederico Morais]

numa disputa de remada com o Medina

ditou a sua eliminação"

 

 

As revelações:

 

Quando fiz os prognósticos para quem seriam as revelações em 2021, pensei nele, mas esqueci-me de mencionar o harmonioso Yago Dora. Neste momento, especialmente para a esquerda, talvez esteja dentro dos cinco melhores surfistas do mundo no que toca à execução técnica. A fluidez, o gerar velocidade nos sítios certos da onda e a versatilidade como ataca as secções mais críticas da onda são algo raro de encontrar. Tem de melhorar consideravelmente o seu surf de backside para ser um sério candidato aos lugares cimeiros do ranking. Com o melhor score do round 32, o rapaz calmo do sul do Brasil começa a distinguir-se cada vez mais como uma das referências do tour.

 

Yago Dora, em Narrabeen 

Por: WSL

 

Morgan Cibilic, que ocupa a 6º posição do ranking mundial é, pelo menos até ao momento, a grande arma do surf australiano.  É, sem dúvida, a grande revelação do tour e tudo graças à qualidade do seu surf aleado ao seu faro competitivo.

 

Morgan Cibilic, em Narrabeen 

Por: WSL

 

Foi bom ver o regresso do Mick Fanning, mesmo fora da forma competitiva que é necessária a este nível. Fez-me relembrar o melhor surf que se pratica no mundo e a falta que eu sinto deste surf top to bottom com uma técnica irrepreensível, algo que ainda falta às atuais estrelas do circuito.

 

Casos do evento:

 

Decisão dos juízes em relação ao aéreo do Ítalo Ferreira: Muito polémica, mas foi uma decisão certa, na minha opinião. Foi uma boa decisão dos juízes, pois o aéreo do Ítalo teria de sair à frente na espuma, aterrar na base não é suficiente, há que sair para a frente com a onda. 

 

 

Disputa de remada entre o Kikas e Medina: a regra 11.13 do Livro de regras da WSL – Regra de bloqueio em situações com prioridade refere que o surfista com prioridade perde-a se, na opinião do chefe de juízes ou do juiz de prioridades, remar deliberadamente à frente do surfista sem prioridade com o objetivo de o impedir de apanhar a onda. Isto foi o que aconteceu. A prioridade devia ter passado para o Kikas. No entanto o que deve ter acontecido foi logo imediatamente a seguir, quando o painel avaliava em vídeo a situação. O Kikas remou para uma onda voltando a prioridade para o Medina. Como aconteceu tudo muito rápido a prioridade não chegou a ser alterada.

Ao Kikas faltou a calma para esperar pela alteração e depois escolher uma onda com a prioridade claramente atribuída.

 

 

 

"Nas decisões mais críticas do evento o painel de juízes esteve bem!"

 

 

Parece que "O Campeão voltou". Medina, com três finais consecutivas, chega ao primeiro lugar do ranking mundial. A sua técnica extraordinária, aliada à frieza e inteligência competitiva, tornaram Narrabeen em mais um evento memorável na história da WSL.

Vamos agora para a 4ª etapa, em Margaret River.

 

"Aqui [Margaret River], as ondas e o tipo de surf será diferente.

Será que teremos outros protagonistas?

Acredito que sim!"

 

Será que John John Florence vai continuar a ter a sua performance uns furos acima dos restantes candidatos, como é habitual, ou os restantes candidatos fizeram o trabalho de casa no que toca a ondas e secções de consequência? Só faltam 10 dias, vamos aguardar!

 

Gabriel Medina, em Narrabeen 

Por: WSL

Itens relacionados

Perfil em destaque

Scroll To Top