Para maior concentração e menos stress, Michel Bourez mudou-se de armas e bagagens para um barco. Para maior concentração e menos stress, Michel Bourez mudou-se de armas e bagagens para um barco. Foto: WSL/Cestari

Itens relacionados

quinta, 10 agosto 2017 15:09

Michel Bourez muda-se para um barco durante etapa do CT em Teahupoo

Taitiano procura mudar rotina para assegurar que está na máxima carga… 

 

A sétima etapa do World Tour, o Billabong Pro Tahiti, está à porta (11 e 22 de agosto) e já está a mover e a manter animadas as tropas do surf. A arena de ação é nada mais nada menos do que Teahupoo, uma das mais desafiantes mas também espetaculares ondas do planeta. 

 

Numa peça recente publicada pela WSL, a organização mundial disse que Joel Parkinson, Owen Wright, Josh Kerr e, claro, John John, serão eventualmente os principais candidatos à vitória este ano. A estes nomes juntou ainda o do taitiano Michel Bourez

 

Na verdade, Bourez compete em casa e goza da vantagem de ter o conhecimento local do seu lado. No entanto, parece não ter tirado proveito disso nos últimos anos uma vez que, desde 2009, o melhor que conseguiu foram nonos lugares: 

 

2009: 33.º lugar

2010: 9.º lugar

2011: 9.º lugar

2012: 13.º lugar

2013: 25.º lugar

2014: 9.º lugar

2015: 25.º lugar

2016: 25.º lugar

 

 

Até parece maldição! No entanto, “The Spartan” parece apostado a mudar o rumo dos acontecimentos este ano. Em entrevista ao site L’Équipe, Michel Bourez, em 13.º lugar no ranking mundial, tendo um 3.º lugar como melhor resultado na presente temporada (no Ok Fiji Pro), confidenciou que apostou numa estratégia diferente para este ano. 

 

“Não consegui deixar a minha marca nos últimos anos, então quis mudar a forma de participar em 2017. Da minha casa eu costumo partir às 5h para que consiga estar às 6h em Teahupoo. Isso obriga-me a acordar às 4h30. Quando chegou ao pico já estou um pouco cansado. Falei com a minha mulher e decidimos que era melhor eu ficar a viver no próprio local. Dessa forma não terei um longo caminho para fazer todos os dias, nem stress e nem o caminho de volta,” explicou. 

 

Assim, para ultrapassar/desafiar a maldição dos últimos anos e evitar as duas horas (e energias) que despende diariamente no caminho para ir e vir do local de prova (Bourez vive no outro lado da ilha), o polinésio tomou a decisão de ficar a dormir no barco do seu pai:

 

“Com isso eu preencherei as falhas. Ancorarei entre a marina e o local de Hava e estarei mais concentrado na competição, totalmente fechado na minha bolha. O jantar eu farei com Matahi Drollet e a sua família, mas a noite passarei sozinho no barco”.

 

Desta forma, o surfista da elite desafia a maldição e prepara-se para passar o período da competição a bordo de uma barco. O Billabong Pro Tahiti começa já esta sexta-feira e o taitiano enfrenta o brasileiro Ian Gouveia e o cabeça-de-série português Frederico Morais no Heat 12. 

 

Aproveita e com isto em mente faz (ou revê) a tua equipa da Fantasy League da Surftotal aqui.

Consulta também os heats do Round 1 aqui

 

Acompanha LIVE por volta das 18h de sexta-feira, 11 de agosto (Portugal Continental)

 

 

Perfil em destaque

  • Gonçalo Vieira Gonçalo Vieira

    Talento da margem sul conquista atenções no novo Perfil da Semana… 

Scroll To Top