Filipe Toledo venceu o US Open of Surfing do ano passado após regressar de uma lesão. Filipe Toledo venceu o US Open of Surfing do ano passado após regressar de uma lesão. Foto: WSL

Itens relacionados

quarta, 26 julho 2017 15:33

Surfistas têm duas zonas de lesões demarcadas

Médico que trabalha com a WSL revela as lesões mais comuns entre a elite mundial… 

 

Com a ajuda da World Surf League e do Dr. Mark Kozuki, que detém um centro terapêutico na Califórnia e tem vindo a trabalhar “on tour” na recuperação de muitos surfistas que integram a elite mundial, como John John Florence, Lakey Peterson e Filipe Toledo, entre outros, são duas as categorias onde as mais comuns lesões do surf têm vindo a ocorrer. 

 

Uma das categorias é o pescoço e a coluna vertebral. A segunda zona compreende os joelhos e os tornozelos

 

No que diz respeito ao pescoço e à coluna, grande parte do problema advém da remada que, no fundo, é considerada uma posição atípica para se estar. A posição do pescoço e da cabeça, sempre em franca tensão, o movimento dos braços e a curvatura, tudo aspetos que adicionam stress e dor. 

 

Já nos joelhos, os surfistas tendem a magoar a parte interior, o menisco ou o MCL (ligamento colateral medial), como consequência de uma rotação mal calculada, não controlada ou também provocada por impacto direto. A dor (lesão) também pode resultar do esforço feito devido a uma má aderência do pé à prancha, provocando um deslize e consequente esforço adicional para recuperar. 

 

Outra das causas para os problemas nos joelhos é a postura rigida do quadril e tornozelos, pois o joelho é a parte que se irá mover mais entre as duas. Por isso, para manter os joelhos saudáveis, é essencial, em primeiro lugar, mover bem a zona da anca, e depois, mover bem os tornozelos. 

 

 

De acordo com a WSL e o Dr. Mark Kozuki, que, além de surfista é também jogador de hóquei no gelo, hoje em dia verificam-se também muitas lesões ao nível do tornozelo devido às acrobacias extremas que o desporto regista. Jogo aéreo, lay backs, rotações em junções, tail slides levados ao limite, obrigam definitivamente a colocar mais pressão no pé, sendo que os dedos são forçados em direção à rótula. 

 

Aquando nessa posição, normalmente, os joelhos dobram e aí acontece o primeiro ponto de rutura, de lesão propriamente dita, que não tem que ser necssariamente ao nível do músculo. Por vezes, é o tendão de Aquiles que sai magoado, mas segundo o médico que acompanha alguns dos melhores surfistas do globo isso não é muito comum. 

 

Alguns conselhos para prevenir futuras lesões

 

- Manter os músculos do “core” sempre fortes (isto previne lesões na coluna e no pescoço); 

- Um “core” mais forte e flexível oferece uma melhor postura na água; 

- Fazer sempre um bom aquecimento antes de entrar na água;

- Manter o corpo bem flexível para ambos os lados (front e backside) de forma a que funcione como um todo;

- O sintoma inicial pode não ser o verdadeiro problema (é essencial descobrir a fonte do problema); 

- Deixa sempre que seja um perito médico a fazer o diagnóstico de uma eventual lesão/problema.

Perfil em destaque

  • Oscar Cauchi Oscar Cauchi

    Jovem surfista belga a viver na cidade do Porto… 

Scroll To Top