É oficial! Filipe Toledo não estará em Fiji. É oficial! Filipe Toledo não estará em Fiji. Foto: Poullenot/WSL

Itens relacionados

terça, 16 maio 2017 15:26

Filipe Toledo não compete em Fiji e pede desculpa aos fãs

Ato de indisciplina do passado sábado faz com que brasileiro passe em branco a próxima etapa... 

 

A notícia foi adiantada ontem, ao final da tarde, por vários meios brasileiros e refere que Filipe Toledo não estará presente no OK Fiji Pro, a próxima etapa do World Tour, que tem lugar entre 4 e 16 de junho. 

 

O motivo foi o ato indisciplinar no passado sábado em que, após ser eliminado pelo norte-americano Kanoa Igarashi, na terceira ronda, devido a interferência, o atleta brasileiro foi junto da estrutura pedir satisfações aos juízes. Entre os protestos e gritaria, Filipe Toledo invadiu uma área onde não podia estar e foi até barrado pela equipa de seguranças. 

 

"Sou um cara passional e surfar é a minha vida. Depois de uma interferência no calor do round três, em Saquarema, eu fiquei chateado. Eu perdi a cabeça e estou muito envergonhado pelo meu comportamento. Quero desculpar-me com os fãs, meus patrocinadores, a média e a WSL. E assumir a plena responsabilidade por minhas ações e aceitar a minha suspensão. Estou decepcionado ao perder o próximo evento, mas ansioso para voltar mais forte para Jeffreys Bay (de 12 a 23 de julho). Boa sorte a todos em Fiji e obrigado a todos pelo apoio,” diz Toledo num comunicado enviado pela própria WSL.

 

O comunicado adianta ainda que o surfista também será multado, mas ainda não foi divulgado oficialmente qual será o valor da multa pela indisciplina. 

 

Renato Hickel, Comissário da WSL e um dos nomes fortes da organização profissional de surfistas, também revelou que “Ele [Filipe Toledo] prejudicou a imagem do surf tremendamente, estava a imprensa presente, patrocinadores e o CEO do patrocinador oficial do campeonato que estava aqui fazendo um tour nesta hora. Ele prejudicou a imagem do esporte como um todo, gritou dentro da área profissional e invadiu área dos juízes. O Filipe foi muito agressivo, antiprofissional, quebrou e infringiu várias regras do código disciplinar da WSL. Foi um caso bem sério”. 

 

Segundo o livro de regras da WSL, os atletas podem não concordar com as decisões dos juízes, mas devem seguir o protocolo após o heat - por exemplo, perguntar quais os critérios que foram utilizados para julgar as suas ondas e até pedir para rever o momento da polémica. No entanto, este protesto carece sempre de autorização dos comissários da WSL. 

 

Um bom exemplo desta conduta foi a de Nat Young no último sábado que perdeu o Heat 12 com Owen Wright e seguiu as vias indicadas, ninguém o viu a berrar na praia nem quase a ameaçar de morte a equipa técnica após a bateria. 

 

Ultimamente, a polémica em torno do julgamento tem vindo a aumentar. Em Bells Beach, o havaiano Ezekiel Lau e o seu treinador, Jake Paterson, reclamaram com os juízes após a marcação de uma interferência num heat justamente disputado com Filipe Toledo, no Round 4. À qual acabaram por receber razão. 

 

Jake Paterson acabou por ser punido com multa e pode mesmo vir a suspenso até o fim da temporada se cometer mais algum ato de indisciplina. No ano passado, se os nossos leitores bem se recordam, o pai e treinador de Gabriel Medina, Charles Saldanha, discutiu com a equipa de juízes da etapa portuguesa e acabou por ser suspenso no início deste ano, não podendo estar na estrutura dos eventos durante a perna australiana. 

 

O francês Jeremy Flores foi outro atleta a cometer um ato de indisciplina no World Tour que acabou por ser punido e suspenso. Estávamos em 2014 quando entrou pelo palanque e discutiu com os juízes após ser eliminado pelo havaiano Sebastian Zietz em Jeffreys Bay. 

 

Esta semana, o conselho de disciplina da WSL multou e suspendeu o sul-africano Sebastian Williams, um dos guerreiros da Qualifying Series, por três meses devido a indisciplina no Buffalo City Surf Pro, QS1000 realizado em East London, na África do Sul. O surfista de 17 anos também teve de pagar uma multa. 

 

Por último, a entrevista de Bobby Martinez, em direto, durante o Round 2 do CT em Long Beach, Nova Iorque, em 2011, cujo vídeo partilhamos de seguida. Na altura, o californiano soltou algumas “F words” ao entrevistador Todd Kline, disse que se estava a borrifar e acabou por ser suspenso. Desde então nunca mais foi visto nas lides mundiais. Será que isto fica por aqui? 

 

Perfil em destaque

  • Constância Simões Constância Simões

    Esta semana fomos até à ponta sul do país, ao Algarve, falar com uma nova promessa do surf feminino… 

Scroll To Top