Aos 62 anos, Shaun Tomson inspira a vida de outros. Aos 62 anos, Shaun Tomson inspira a vida de outros. Foto: DR

Itens relacionados

quinta, 21 setembro 2017 10:42

Shaun Tomson como modelo de inspiração

Campeão mundial de surf de 1977 transforma a vida de jovens sul-africanos… 

 

Uma boa parte dos jovens surfistas não conhece Shaun Tomson, nem a sua história. Este sul-africano, nascido a 21 de agosto de 1955 (tem 62 anos), foi um dos surfistas que mudou o rosto e o futuro do surf. 

 

Nascido em Durban, foi precisamente nas praias daquela que é considerada a “surf city” da África do Sul que aprendeu a surfar, sob o olhar atento do seu pai, Ernie, e com a companhia do seu primo Michael e irmão Paul Tomson. 

 

Ao longo dos anos ele tem sido considerado um dos melhores surfistas de todos os tempos, apontado como um dos 25 mais influentes de sempre e um dos verdadeiros arquitetos do surf profissional. Durante a sua carreira de surfista foi o mais novo e velho surfista a vencer um campeonato, o primeiro não-australiano a quebrar a hegemonia do surf aussie que se vinha a registar até então ao tornar-se campeão mundial em 1977 no mítico IPS World Championship. 

 

“O tempo expande-se quando estamos no tubo"

 

Na década de 70 foi parte integrante da geração “free ride” que, juntamente com os australianos Wayne Bartholomew, Mark Richards, Ian Cairns, Peter Townend e Mark Warren, tomaram de assalto as ondas do North Shore de Oahu. 

 

 

O estilo, a coragem e a atitude que apresentaram nas ondas do Havai foi único e marcou uma geração, passando a serem considerados os primeiros surfistas verdadeiramente profissionais no mundo do surf. Munido de uma boa aparência, carisma, oratória e atleticismo, Shaun Tomson passou a ser a voz deste movimento que abriu portas ao profissionalismo. 

 

Com o fim da carreira no surf, Tomson passou a ser homem de negócios, ator e ambientalista, mas também autor de livros e orador motivacional para grandes empresas. Ultimamente também o pudemos ver a fazer comentários na WSL durante a etapa do CT de Jeffreys Bay. 

 

 

Há uma década atrás, o sul-africano perdeu o seu filho Matthew, de 15 anos, num acidente, e mudou a sua vida. Shaun transformou um momento claramente trágico e difícil em algo que servisse de inspiração para outros. Passou a usar a experiência do surf como metáfora para a vida. 

 

Passou a ser um orador reconhecido internacionalmente, mas tem sido no seu mais recente projeto, que cruza várias escolas sul-africanas, onde tem encontrado a melhor recompensa da vida. É aí que serve de inspiração para outros, passando a mensagem aos jovens de que todos têm o poder de criar o seu próprio futuro. 

 

“Eu competi no circuito profissional durante 16 anos e amei poder fazê-lo. Adorei todos os minutos que nele passei. Dei tudo o que eu tinha, mas sempre senti que o surf me deu muito mais e que eu tenho agora a responsabilidade de passar o testemunho. Não por uma questão de ego, mas apenas sinto que devo dar algo de volta. Ao mesmo tempo também é uma forma de recordar o meu belo filho. Posso tornar uma perda terrível em algo bom e útil,” disse a determinada altura. 

 

Pegando numa das suas mais conhecidas frases, em destaque em cima, aproveitamos para terminar a presente peça com uma outra que não deixa de ser verdade: 

 

“Há qualquer coisa sobre o que os surfistas fazem que é muito puro”. 

 

Perfil em destaque

Scroll To Top