Miguel Figueira e Eurico Gonçalves regressam aos Açores para denunciar o POC Miguel Figueira e Eurico Gonçalves regressam aos Açores para denunciar o POC sos Cabedelo

Itens relacionados

sábado, 22 outubro 2016 19:31

MOVIMENTO SOS CABEDELO DENUNCIA O DEFICIENTE FUNCIONAMENTO DO POC

Miguel Figueira e Eurico Gonçalves regressam aos Açores para denunciar o POC

Depois de em 2014 Miguel Figueira e Eurico Gonçalves do movimento cívico SOS Cabedelo terem denunciado o Plano de Ordenamento da Orla Costeira (POOC) no Azores Wave Week, regressaram agora ao meio do Atlântico para denunciar o Programa da Orla Costeira (POC), no 3º Seminário de Arquitectura dos Açores "por um futuro sustentável".

Na conferência que encerrou o seminário em Angra do Heroísmo, Miguel Figueira e Eurico Gonçalves, lançaram duras críticas ao POC Ovar-Marinha Grande. Apesar da evolução positiva que reconhecem nesta transição do POOC para o POC lamentam os vícios que persistem na presente proposta. Explicaram à SurfTotal: "na Análise Técnica da Participação que chegou ao nosso conhecimento persistem os vícios que comprometem a obrigatória conformidade legal com o relatório do Grupo de Trabalho do Litoral (GTL). Apesar do enquadramento legal dos nosso contributo estar fundado no mesmo documento que consagra na lei o próprio POC, não lhe é reconhecido esse vínculo directo, conformando um quadro de negligência grave."

Miguel Figueira e Eurico Gonçalves sustentaram ainda que a desvalorização do seu contributo esconde a deficiente inscrição da transposição sedimentar contínua nas barras de Aveiro e Figueira da Foz. Ainda antes do BYPASS ou de outras soluções, afirmam, é a transposição em si que continua por inscrever de forma clara e objectiva, com a respectiva dotação financeira para a execução capaz de viabilizar a sua implementação urgente. Explicaram-nos ainda que "sem a transposição sedimentar contínua e a realimentação da deriva conforme a estratégia de proteção preconizada pelo GTL podemos ficar ainda pior do que aquilo que tínhamos no passado; ficamos suspensos entre dois paradigmas sem saber se a areia virá tranquilamente com o mar ou à bruta misturada no cimento em blocos de betão".  

Na sua estratégia de comunicação o SOS Cabedelo usa um saco de areia recolhida a norte onde ocorre a retenção artificial contra o molhe que impede a circulação dos sedimentos no mar. A conferência "O Mar como Território" terminou com a imagem desse mesmo saco que terá sido endereçado ao Ministro Matos Fernandes, juntamente com a carta que reitera o pedido de audiência que se encontra há meses acantonada nos corredores do Ministério do Ambiente.

Perfil em destaque

  • Gonçalo Vieira Gonçalo Vieira

    Talento da margem sul conquista atenções no novo Perfil da Semana… 

Scroll To Top